Três anos após a morte de criança em Caxias, família manda mensagem de paz - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Comoção17/07/2018 | 16h08Atualizada em 17/07/2018 | 16h08

Três anos após a morte de criança em Caxias, família manda mensagem de paz

Menina de 11 anos morreu após ser baleada quando ia para a catequese no bairro Pio X, em 2015

Três anos após a morte de criança em Caxias, família manda mensagem de paz Reprodução/Facebook
Caso ainda é analisado pelo Ministério Público Foto: Reprodução / Facebook
GaúchaZH
GaúchaZH

A morte da menina Ana Clara Benin Adami, 11 anos, completou três anos nesta segunda-feira (16). No início da tarde de 16 de julho de 2015, ela seguia a pé para o encontro de catequese na igreja do bairro Pio X, em Caxias do Sul, quando foi baleada. Ana Clara chegou a ser levada para o hospital, mas morreu horas depois. O crime chocou a comunidade.

Leia mais:
O que Caxias do Sul aprendeu com o assassinato da menina Ana Clara Adami?
Investigação conclui que tiro acidental matou menina Ana Clara, em Caxias
Novas informações indicam que Ana Clara pode ter sido morta a mando de uma mulher
Principal suspeito de assassinar menina Ana Clara, em Caxias do Sul, está morto
Laudo confirma que tirou que matou menina em Caxias do Sul foi pelas costas 

No último domingo , uma missa na igreja do Pio X lembrou os três anos da morte de Ana Clara. Na cerimônia, a mãe da menina, Márcia Elisa Zanette Benin, leu uma mensagem. O texto foi publicado no jornal Pioneiro desta terça-feira.  "Mais do que nunca é tempo de paz!", diz o texto. Em entrevista ao GaúchaZH, Márcia explica que passou vários dias pensando no que escrever.

— A mensagem que eu procurei transmitir é que a paz tem que ser promovida em qualquer momento. A paz tem que primeiro vir de dentro da gente porque não adianta querer mudar as coisas ao nosso redor se a gente não mudar as coisas dentro de nós — reflete a mãe da menina.

Ana Clara faria 15 anos em 20 de agosto.

Investigação

O inquérito da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) foi concluído em 28 de julho do ano passado com a identificação do autor do crime. Porém, o homem apontado como o autor do disparo não foi indiciado porque ele foi morto um mês após a morte da menina. O Ministério Público (MP) ainda não concluiu a análise do caso. O MP aguarda respostas de pedidos de informações solicitadas a administradores de redes sociais.

Uma das linhas de investigação é de que a menina foi vítima de um assalto, embora o criminoso não tenha conseguido levar qualquer objeto que ela carregava.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros