Quem são as vítimas de agressões e assassinatos em Vacaria - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Violência contra as mulheres - parte 211/07/2018 | 08h15Atualizada em 11/07/2018 | 10h34

Quem são as vítimas de agressões e assassinatos em Vacaria

Todo mês, mulheres realizam reuniões para desabafar sobre abusos sofridos em casa

Quem são as vítimas de agressões e assassinatos em Vacaria Polícia Civil/Divulgação
Uma pesquisa por amostragem mostra que as vítimas das agressões em Vacaria são mulheres entre 17 e 40 anos e que não trabalham Foto: Polícia Civil / Divulgação

Um dos primeiros movimentos do projeto Acolher em Vacaria, movimento que mobiliza diversas pessoas contra a violência doméstica na cidade, foi cadastrar mensalmente todas as mulheres que figuravam como vítimas, procedimento mantido até hoje. A intenção da promotora Bianca de Araújo era traçar o perfil delas. Na primeira vez, ela e assessores endereçaram dezenas de cartas às vítimas, solicitando o comparecimento na sede do Ministério Público (MP). Dos 100 chamados encaminhados, cerca de 20 mulheres atenderam. Na roda de conversa, sempre de mulher para a mulher, Bianca conheceu vítimas agressões repetidas e as lacunas nos serviços que deveriam protegê-las. 

A partir disso, a equipe passou a organizar reuniões mensais para incentivar os desabafos e estabelecer caminhos que levariam a uma solução de problemas. O encontro ocorre sempre na primeira sexta-feira do mês. 

— Mandamos de 90 ou 100 cartas por mês, que é a média de ocorrências registradas em Vacaria. Cerca de 20 ou 30 vítimas comparecem. Há mulheres que vêm pela primeira vez e retornam no mês seguinte para buscar apoio, buscar formas de escapar desse ciclo. Elas querem proteção, querem pertencimento — diz a promotora.

Quer saber mais?  
Mobilização quer dar um basta nas mortes, agressões e abusos sexuais contra as mulheres em Vacaria
Quem são as vítimas de agressões e assassinatos em Vacaria
Diálogo entre diferentes setores possibilitou abertura de serviços para acolher vítimas Movimento convida mulheres a buscar autonomia profissional e pessoal nos bairros de Vacaria 

Dentro da proposta de reflexão, o Acolher também estende o olhar para os agressores. Levantamento do MP apontou que muitos dos homens não se veem como vilões. Alguns chegam a ser presos e permanecem um período na prisão, mas cometem novamente os crimes contra as mesmas companheiras ou outras mulheres quando estão livres. Diante desse cenário, o Acolher propôs a criação de um grupo para dialogar com os autores da violência doméstica. Cinco deles aceitaram participar da iniciativa e nenhum deles voltou a reincidir após nove encontros com temas diferentes em 2017.  A ideia é realizar um novo trabalho neste ano. 

violência doméstica em Vacaria
Foto: Arte Pioneiro / Agência RBS

Leia também
Caminhoneiro afirma não saber se atropelou a própria esposa em Vacaria
Mulher é encontrada morta com disparo na cabeça na estrada do Graneleiro, em Vacaria
Marcadas pelo fogo: em um ano, quatro mulheres vítimas da violência tiveram corpos queimados em Vacaria
 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros