Projeto de lei que propõe criação de Mercado das Pulgas em Caxias aguarda sanção do prefeito - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Comércio07/07/2018 | 08h01Atualizada em 07/07/2018 | 08h01

Projeto de lei que propõe criação de Mercado das Pulgas em Caxias aguarda sanção do prefeito

Modelo de feira de antiguidades é considerado sucesso em várias cidades e não geraria gastos ao município

Projeto de lei que propõe criação de Mercado das Pulgas em Caxias aguarda sanção do prefeito Eduardo Beleske/Divulgação
Diversos municípios, como Pelotas (foto), oferecem espaços para realização de feiras de antiguidades Foto: Eduardo Beleske / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Seguindo o exemplo de cidades como Pelotas e Porto Alegre, Caxias do Sul deve passar a contar com um mercado das pulgas ainda neste ano. O projeto de lei que propõe a iniciativa foi aprovado por unanimidade na sessão da última terça-feira na Câmara de Vereadores, e agora depende da sanção do prefeito Daniel Guerra (PRB) para entrar em vigor. O nome pode soar inusitado para quem não está familiarizado com o termo. Na prática, porém, esse tipo de comércio é simples: uma feira ao ar livre com venda de antiguidades, artigos para coleção e raridades. 

— É estranho o nome, mas quem conhece esse tipo de evento sabe que funciona. Tanto que é bastante tradicional em várias cidades brasileiras e também em outros países — comenta o propositor, vereador Alceu Thomé (PTB).

Um dos exemplos mais conhecidos de mercado das pulgas é o tradicional Brique da Redenção, na Capital. Mundialmente, há famosas feiras em Paris, Lisboa, Nova Iorque, Londres e, mais próximo, Buenos Aires, com a conhecida Feira de San Telmo. Estima-se que o modelo de comércio surgiu nos subúrbios franceses há mais de 130 anos. 

Deu-se nome em razão especialmente das roupas de segunda mão que eram vendidas nesses locais e que seriam, supostamente, infestadas de pulgas. Gradativamente, o estilo de venda expandiu-se para diversas capitais e metrópoles e a fama ruim logo se extinguiu, embora o termo pejorativo tenha se consolidado.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 04/07/2018. JL Franco Antiguidades. Matéria sobre aprovação da implantação de mercado de pulgas (feira aberta de antiguidades, artigos usados, artasanato), em Caxias do Sul. Jonathan Lee Franco, é proprietário da loja. (Porthus Junior/Agência RBS)
Objetos antigos, de coleção e clássicos são itens mais tradicionais comercializados em mercados das pulgasFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Um dos apelos do projeto, conforme o vereador, é que não há necessidade de investimentos por parte da prefeitura. O envolvimento do poder público se limitaria à oferta do espaço — a proposta sugere a utilização da Praça das Feiras, no bairro São Pelegrino — e no processo de cadastro dos expositores, por meio da Secretaria do Urbanismo.

— A ideia seria começar pelos vendedores da cidade e depois expandir para a região. A prefeitura só precisaria apoiar com o espaço e explorar o potencial turístico e cultural — complementa o parlamentar.

Conforme o projeto, a feira aconteceria no último domingo de cada mês, das 9h às 17h30min (ou até às 20h no horário de verão). O proponente do projeto também sugere a participação de artistas e bandas locais nos dias de evento.

Tradicionalmente, em mercados das pulgas costumam ser expostos itens como livros e roupas usadas, utensílios antigos como móveis, talheres e louças, artigos para coleção como selos, moedas, postais, facas, máquinas fotográficas e de escrever, além de discos de vinil e livros, entre outros.

O secretário da Cultura de Caxias, Joelmir da Silva Neto, preferiu não se manifestar sobre o projeto, alegando que antes a proposta precisa ser sancionada pelo prefeito.

Proposta bem recebida por vendedores

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 04/07/2018. JL Franco Antiguidades. Matéria sobre aprovação da implantação de mercado de pulgas (feira aberta de antiguidades, artigos usados, artasanato), em Caxias do Sul. Jonathan Lee Franco, é proprietário da loja. (Porthus Junior/Agência RBS)
Jonathan Lee Franco, 36 anos, é o garimpeiro com maior acervo de antiguidades da cidade (cerca de 15 mil itens). Ele afirma que teria interesse em aderir ao projetoFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Para garimpeiros de antiguidades que já praticam esse tipo de comércio a ideia foi recebida de forma positiva.

De antemão, o comerciante Leomar Emilio Knopp já demonstra interesse em participar do mercado das pulgas caxiense. Ele diz que não tem um local fixo para vender e, normalmente, recorre a parcerias com estabelecimentos ou eventos para conseguir comercializar seus produtos. Por isso, a feira, segundo ele, seria útil para melhorar os negócios.

— É uma proposta interessante. Caxias não tem esse costume e ter um local para fazer eventos mensais é uma boa ideia. Conheço, pelo menos, 10 pessoas que garimpam coisas usadas para venda e que, certamente, teriam interesse — comenta.

Dispondo de talvez o mais expressivo acervo de antiguidades na cidade — atualmente com mais de 15 mil peças —, o antiquário Jonathan Lee Franco também celebra a novidade. Embora conte com um ponto fixo, ele costuma participar de feiras e acredita que a implantação de uma local de referência deva contribuir para incentivar a expansão da prática:

— Em eventos sem muita divulgação, consigo atrair mais de 100 visitantes. As pessoas têm muito interesse nesse tipo de coisa (antiguidades) e quem começa a colecionar não para mais — afirma.

Porém, apesar de se tratar de um comércio de caráter mais livre, Knopp sugere que seja estabelecido relativo controle e organização:

— Seria interessante ter cuidado no cadastramento dos vendedores, estabelecer um mínimo de bancas e exigir a presença dos negócios cadastrados. Não pode deixar que em um mês tenha poucos comerciantes, por exemplo.

"A experiência de Pelotas foi um êxito"

Há cerca de quatro anos, a prefeitura de Pelotas tomou a decisão de instituir o mercado das pulgas na cidade. Embora a iniciativa tenha sido um tanto despretensiosa à época, logo o interesse de comerciantes e da população foi crescendo e, já na primeira edição, o evento foi um sucesso.

— Começamos com 20, 30 expositores. Hoje, tem fila para entrar. É difícil estimar, mas devem passar cerca de mil pessoas todos os finais de semana em nossa feira — comenta o secretário de Cultura  de Pelotas, Giorgio Ronna.

Mercado das Pulgas de Pelotas (arquivo).
Secretário de Cultura de Pelotas, Giorgio Ronna, informa que feira na cidade chega a atrair mais de mil pessoas todos os finais de semanaFoto: Eduardo Beleske / Divulgação

O comércio de antiguidades é realizado na cidade todos os sábados, das 10h às 17h, no Largo Edmar Fetter, junto ao Mercado Central. Conforme o secretário, antes sem muita credibilidade junto à população, o local acabou tornando-se referência turística e cultural desde que o evento surgiu. Ali, também acontecem ações culturais, como apresentações de teatro de rua, rodas de capoeira e de samba. 

— Começamos a receber pessoas da região desde a terceira edição. Hoje, turistas vêm visitar especificamente o mercado das pulgas. A experiência de Pelotas foi um êxito muito grande — garante.

Nesse tempo, ele também comenta que cresceu a qualidade dos produtos expostos. Atualmente, contanto com 60 vendedores, ressalta que o mercado consolida-se, sobretudo, como um ambiente de integração social.

— É um lugar de convivência e diálogo. Os objetos estimulam a memória e a interação. Você vê um pilão antigo, comenta algo com o vendedor, uma outra pessoa ouve, relata uma história e assim prossegue — salienta Ronna.

Apoio não deve se ater ao institucional

Embora o projeto previsto para Caxias indique pouca participação do poder público, o secretário de Cultura de Pelotas afirma que a prefeitura atuou de forma direta na organização do evento, o que, segundo ele, garantiu a execução eficiente. Conforme Ronna, o poder público estimulou, também, a criação de um grupo de antiquários para articular o planejamento das feiras.

— É preciso ter controle do material para não descaracterizar. Em Pelotas, por exemplo, somos muito exigentes com o tipo de artesanato que é exposto. Não pode ser qualquer item, tem de ter vínculo ou fazer sentido estar dividindo espaço com as antiguidades — comenta.

Ele também sugere a instituição de regras. Em Pelotas, por exemplo, se um vendedor não aparece por três eventos seguidos sem justificar, ele perde a vaga do espaço e precisa entrar na fila novamente. O secretário relata que outra questão que acabou surgindo no início do projeto foi a disputa por espaços.

— É interessante definir locais fixos para não haver conflitos, caso contrário, vendedores às vezes ocupam, sem saber, espaços que já eram utilizados por outros e isso causa algum ruído. Precisa haver também planejamento para evitar que dias de sol excessivo ou própria chuva atrapalhem o evento. 

Leia também
Campanha para prevenir o consumo de bebidas na adolescência começa na próxima semana, em Caxias
Revisão do Plano Diretor de Caxias altera projetos de construção de estações de ônibus
Menina que doou cabelo para crianças com câncer é convidada especial de formatura do Proerd em Farroupilha

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros