Pais reclamam de demora no atendimento pediátrico na UPA Zona Norte em Caxias  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde 15/07/2018 | 17h36Atualizada em 15/07/2018 | 20h24

Pais reclamam de demora no atendimento pediátrico na UPA Zona Norte em Caxias 

Falta de profissionais no PA 24 Horas aumentou a demanda na unidade

Pais reclamam de demora no atendimento pediátrico na UPA Zona Norte em Caxias  Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A longa espera na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Norte em Caxias do Sul gerou preocupação e revolta entre os pais que buscaram atendimento para os filhos na tarde deste domingo. A reportagem chegou a UPA às 15h40min. A recepção estava lotada e pelo menos 25 crianças esperavam por consulta. O pastor Thiago Oliveira dos Santos, 31 anos, disse ter chegado à unidade por volta das 11h em busca de atendimento para o filho Bruno Oliveira dos Santos, oito.

Leia mais:
Postão 24h, em Caxias, terá atendimento pediátrico parcial no domingo
Com apenas um clínico, Postão 24H de Caxias chega a ter demora de até cinco horas para atendimento
"Modelo do Postão se esgotou", diz Daniel Guerra durante coletiva sobre novo plantão pediátrico
Prefeito de Caxias quer novo plantão pediátrico na área central da cidade

—  Eu consultei e ele ainda não foi chamado. Ele tem dor de cabeça, no ouvido e no corpo. Está com sinais de resfriado e a espera é longa —reclamou. 

O que mais angustiava alguns pais era a febre alta que a maioria das crianças apresentava. A pequena Nicoly Oliveira Fusconi, seis anos, estava com 39,5 graus de febre. Com as bochechas vermelhas, a menina dormia em uma cadeira ou no colo da mãe enquanto aguardava consulta. A mãe dela, a vendedora Kelen Souza Oliveira, 29, estava preocupada com a situação:

— Não tem médicos no Postão (Pronto-Atendimento 24 Horas) e as crianças são mandadas pra cá ou os pais procuram a UPA direto. A triagem foi rápida, mas ela está com febre alta e não foi medicada ainda —desabafou. 

Cauê Rocha Tappero, três, também dormia no colo do pai. O estofador Claudinei Tappero, 36, chegou com o menino ao meio-dia na UPA e por volta das 16h ainda não havia sido atendido:

— Ele acordou vomitando muito catarro. Pelo menos umas cinco vezes, e até agora não chamaram ele. O atendimento é bom, mas falta médico para atender a todos. 

A autônoma Tatiele Barcellos Fantinel, 28, estava com o filho Samuel Fantinel Rezende, um ano e seis meses, à espera de atendimento desde as 13h. Ela contou que o menino está em tratamento para pneumonia e estava com febre.

— A suspeita é que ele esteja com alergia à medicação que está tomando para a pneumonia. Ele estava com 38 graus de febre —  afirmou a mãe.

Posição da UPA

De acordo com a assessoria de imprensa da UPA Zona Norte, a falta de pediatras no Pronto-Atendimento 24 Horas (Postão) entre as 8h às 20h torna a unidade referência em pediatria. Para atender a demanda, houve reforço no quadro de pediatras durante o dia, sendo que três profissionais estavam de plantão. Contudo, o número de pacientes aumentou consideravelmente levando em conta as condições climáticas da cidade, que aumentam os casos de doenças respiratórias, gripe e resfriados. 

Apesar de contar com três pediatras, a menina Nicoly Oliveira Fusconi, foi atendida por uma clínica geral. A reportagem teve acesso a receita onde consta o carimbo da profissional. O atendimento gera questionamento aos pais, sobre o porque o atendimento não ser prestado por um pediatra. 

O que diz a secretaria de Saúde 

 De acordo com o secretário da Saúde, Geraldo da Rocha Freitas Júnior, o motivo da falta de pediatras ocorre frequentemente devido a dificuldade de preencher a escala de médicos para o plantão: 

— Não estamos conseguindo preencher as vagas de médicos (pediatras), mesmo com os concursos. Atualmente, é difícil conseguir pediatras no mercado, é uma especialidade que tem cada vez menos procura.

Modelo do Postão se esgotou, diz prefeito 

O prefeito Daniel Guerra (PRB) afirmou em coletiva de imprensa na última sexta-feira que um serviço de urgência e emergência é mais eficiente no modelo de gestão compartilhada. Guerra citou como exemplo a UPA, que conta com 14 pediatras e, segundo ele, nunca teve problema de atendimento. No Postão, ao contrário, segundo o prefeito, mesmo com 19 profissionais a dificuldade para compor as escalas vem fazendo com que não haja atendimento pediátrico em diversos fins de semana. Contudo, neste domingo, nem mesmo com reforço a unidade conseguiu atender a demanda. 

Leia também:
População pode votar em nome para novo parque de Caxias
Sequência de assassinatos em Caxias preocupa, mas não é tendência, segundo órgãos de segurança
Vítima de ataque a salão de beleza deixa hospital em Caxias



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros