Padre investigado por pornografia infantil é afastado de missas públicas - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Serra gaúcha06/07/2018 | 17h34Atualizada em 06/07/2018 | 17h34

Padre investigado por pornografia infantil é afastado de missas públicas

Medida ocorre após Evair Heerdt Michels ser flagrado abençoando crianças durante missa em Caxias do Sul

Padre investigado por pornografia infantil é afastado de missas públicas Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Padre usa tornozeleira eletrônica e está proibido de ter contato com crianças e adolescentes Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

O padre Evair Heerdt Michels, investigado pela Polícia Federal (PF) por armazenar pornografia infantil, não poderá mais rezar missas públicas. Essa foi a decisão da congregação Josefinos de Murialdo, depois de vir a público a informação de que ele usa tornozeleira eletrônica e está proibido, pela Justiça Federal, de participar de eventos com a presença de crianças e adolescentes. No último domingo (1º), o Grupo de Investigação da RBS flagrou Michels abençoando crianças durante missa no distrito de Fazenda Souza, em Caxias do Sul.

Leia mais
Investigado por pornografia infantil, padre descumpre ordem judicial e tem contato com crianças
"Não consideramos irregular", diz padre sobre contato de investigado por pornografia infantil com crianças
Apesar de proibição, Pároco admite que padre investigado celebra missas em capela onde circulam crianças em Fazenda Souza
"Se chega uma criança na Igreja, ele tem que sair correndo?", diz vigário-geral sobre padre investigado por pornografia infantil
"É algo absurdamente inexistente", defende-se padre de Caxias investigado por armazenar pornografia infantil
Rede de ensino pede desculpas à comunidade por caso de padre investigado por pornografia infantil
Instituto Leonardo Murialdo exclui padre investigado por pornografia infantil

O provincial da congregação, padre Antonio Lauri de Souza, confirmou que "a partir deste momento ele está afastado das missas públicas". A medida, no entanto, não significa que Michels tenha perdido os poderes de sacerdote. Ele poderá seguir fazendo celebrações internas, na casa paroquial.

Desde a quinta-feira (5), a congregação está dedicada a se desculpar por ter um de seus membros envolvido em uma investigação federal de pornografia infantil. Além de emitir nota oficial pedindo desculpas à comunidade, os murialdinos decidiram pela exclusão do padre Michels do quadro de sócios do Instituto Leonardo Murialdo.

A medida, segundo o provincial, foi apenas uma formalização de algo que já estava valendo desde o ano passado. Depois que a PF fez buscas na sede do Colégio Murialdo de Porto Alegre, em janeiro do ano passado, e encontrou em computadores usados pelo padre cerca de 300 mil arquivos de pornografia infantil, Michels, que dirigia a escola, foi proibido de de ter cargo de direção. 

Ao se mudar para Caxias do Sul, logo depois da operação, ganhou o cargo de secretário da Faculdade Murialdo.

— Era um cargo administrativo, em que teria contato apenas com jovens adultos. Mas neste ano ele não está nem neste cargo — afirmou Souza.

Leia também
Reajuste do gás chega às revendas de Caxias
Preso suspeito de ter estuprado estudante em Caxias

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros