Não há obra prevista para contenção de deslizamentos na BR-116, em São Marcos - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Infraestrutura26/07/2018 | 17h32Atualizada em 26/07/2018 | 17h32

Não há obra prevista para contenção de deslizamentos na BR-116, em São Marcos

Quedas de pedras foram registradas nesta quarta e quinta-feiras

Não há obra prevista para contenção de deslizamentos na BR-116, em São Marcos Divulgação/PRF
Nove horas após ser liberada da primeira interrupção, na manhã desta quinta-feira, outro deslizamento ocorreu na rodovia Foto: Divulgação / PRF

Depois de avaliar o ponto onde ocorreram deslizamentos por dois dias seguidos na BR-116, em São Marcos, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) diz que não há riscos de novas grandes quedas de barreiras no local.

Segundo o engenheiro responsável pela unidade do Dnit em Vacaria, Daniel Bencke, os deslizamentos foram causados pelo encharcamento do solo devido à sequência de dias chuvosos. A equipe técnica avaliou visualmente o lugar:

– O trecho todo é de Serra. O risco de novas quedas existe porque fazem três semanas que as chuvas estão constantes. Tem previsão de chuva para o final de semana e para a semana que vem. Então, a região está toda saturada de água. Porém, naquele ponto específico, não existe, aparentemente, segundo nossa avaliação, um risco grande de uma nova queda, porque a pedra grande que havia ali rolou.

O engenheiro diz que as ocorrências foram pontuais, não sendo necessária a realização de obras ou implantação de medidas de contenção imediatas no local.

– Eventualmente, em épocas de chuvas, ocorrem pequenos deslizamentos de pedra, porque trata-se de encosta. Mas, em princípio, não há necessidade de obra de contenção – afirmou Bencke.

Para o futuro, o Dnit pretende fazer um estudo para identificar pontos de risco. Depois disso, está nos planos do órgão federal contratar uma empresa para elaborar projetos para a implantação de dispositivos de prevenção. Mas, tudo isso depende de verba no orçamento, algo que, até o final do ano, o Dnit não tem para novos projetos, apenas para manutenção das rodovias.

As pedras que rolaram da encosta, do tamanho de metade de um carro, caíram sobre a rodovia, na altura do Km 98,9, a uns quatro quilômetros da ponte sobre o Rio das Antas, bloqueando a pista sentido Caxias-São Marcos. Não havia veículos passando e ninguém ficou ferido. Na quarta-feira, a queda aconteceu no começo da tarde e a liberação ocorreu por volta das 21h30min. Nesta quinta, duas pedras caíram às 6h30min e o trecho foi liberado pouco antes das 16h.

Deslizamentos na BR-116, na altura do Km 98,9, em São Marcos, interrompem o trânsito em uma das pistas da rodovia. Queda registrada na quarta-feira.
Na quarta-feira, ocorreu a primeira queda recente de barreira Foto: Divulgação / PRF

Em ambos os dias, o fluxo de veículos ficou restrito com alternância de passagem. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) controlou o tráfego no local. O ponto de bloqueio era em uma reta, ou seja, de fácil visualização por parte dos motoristas. A remoção e limpeza do asfalto foram feitas pela empresa que presta serviços de manutenção da rodovia para o Dnit com auxílio da prefeitura de São  Marcos.

Ainda nesta tarde, em outro ponto, no Km 133, houve desmoronamento da encosta e o trânsito também ficou restrito a uma pista.

Leia também:
Rio das Antas sobe e interdita ponte entre Cotiporã e Bento Gonçalves
Moradores da Serra ganharão mais uma opção de voo para São Paulo  

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros