Diálogo entre diferentes setores possibilitou abertura de serviços para acolher vítimas ameaçadas por companheiros em Vacaria - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Violência contra as mulheres - parte 311/07/2018 | 08h45Atualizada em 11/07/2018 | 10h35

Diálogo entre diferentes setores possibilitou abertura de serviços para acolher vítimas ameaçadas por companheiros em Vacaria

Outro prédio concentra serviços e atividades preventivas

Diálogo entre diferentes setores possibilitou abertura de serviços para acolher vítimas ameaçadas por companheiros em Vacaria Lucas Amorelli/Agencia RBS
Diferentemente de abrigo mantido em local não revelado, a Casa Acolher (acima) na Rua Ramiro Barcelos é usada para atividades preventivas Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A outra ponta do projeto Acolher, em Vacaria, é estruturar uma casa de passagem para receber mulheres ameaçadas por maridos e namorados agressivos. O endereço funciona desde dezembro de 2017, de forma provisória, e não é revelado por razões de segurança. Atualmente, as vítimas recebem atendimento com doações da comunidade. Há um projeto orçado em R$ 296 mil para adquirir o mobiliário e prestar o atendimento pleno. O serviço representa um grande avanço, uma vez que a Vacaria não tinha uma referência para acolher e esconder mulheres que corriam risco de assassinato, caso de Marisa dos Santos Maciel citada na primeira parte desta reportagem.

— Não havia para onde mandar as mulheres. O que acontecia? Elas retornavam para casa onde estava o agressor que elas haviam denunciado. Foi o caso da Marisa, que acabou sendo dispensada na delegacia onde registrou a ocorrência porque não havia essa alternativa — lembra a promotora Bianca de Araújo.

Com proposta diferente, a outra casa de acolhimento atende na Rua Ramiro Barcelos. O espaço coordenado pela Cáritas atende a mulheres e homens encaminhados pela promotoria com ações de assistência social, terapia familiar, saúde alternativa, visando oficinas de estudos, reflexão e artesanato.


Quer saber mais?

Quem são as vítimas de agressões e assassinatos em Vacaria
Mobilização quer dar um basta nas mortes, agressões e abusos sexuais contra as mulheres em Vacaria
Movimento convida mulheres a buscar autonomia profissional e pessoal nos bairros de Vacaria 

Articulação na prática

A aproximação entre os diferentes setores que lidam com a violência doméstica é outra correção de rumo em Vacaria. O MP conseguiu estabelecer diálogo mais direto entre a Delegacia da Mulher, a Patrulha Maria da Penha e a Coordenadoria da Mulher, entre outros serviços voltados às vítimas da violência. Os integrantes perceberam que trocar informações com menos solenidade e com maior rapidez pelo WhatsApp traz resultados mais práticos do que simplesmente esperar pelo envio de ofícios.

— No próprio grupo do WhatsApp, já ficamos sabendo se algo grave está acontecendo e quais encaminhamentos serão dados. Não havia esse diálogo, era mais burocrático. Agora, em 10 ou 15 dias a vítima já estará sendo ouvida no MP — aponta a promotora.

Bianca cita o caso de uma mãe que foi parar no hospital por espancamento, há cerca de dois meses. Descobriu-se que o filho dela esperava há anos por uma cirurgia. Hoje, o menino já está operado e a mulher conseguiu tirar os bens de casa. O autor da surra ficou preso 45 dias e está sendo processado. 

Foi ao traçar o perfil da mulher agredida que os integrantes do Acolher bateram de frente com a barreira do silêncio em torno da violência doméstica, o que não seria anormal para uma sociedade nitidamente estruturada no patriarcalismo. 

— Sabia que toda vez que ia tocar no assunto alguém estaria pensando "lá vem a chata falar de novo sobre mulheres". Mas, a partir do momento que você vai numa escola e crianças falam sobre o tema, percebe que está quebrando essa visão — diz Bianca.

A opinião é compartilhada pela presidente do Conselho dos Direitos da Mulher, Maria Gil:

— Falo pelo Conselho, que existia, mas não estava presente ou se mantinha articulado. Houve um despertar para essa união na cidade, estamos evoluindo.

Rosângela Ramos Graciano, coordenadora do Centro de Referência de Atendimento à Mulher, serviço mantido pelo município,  vê uma maior ligação entre os serviços:

— As vítimas também estão falando mais, estão perdendo o medo de denunciar.

Leia também
Caminhoneiro afirma não saber se atropelou a própria esposa em Vacaria
Mulher é encontrada morta com disparo na cabeça na estrada do Graneleiro, em Vacaria
Marcadas pelo fogo: em um ano, quatro mulheres vítimas da violência tiveram corpos queimados em Vacaria
 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros