Cidades da Serra discutem replicar projeto Prato Solidário - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Solidariedade13/07/2018 | 08h24Atualizada em 13/07/2018 | 10h15

Cidades da Serra discutem replicar projeto Prato Solidário

Projeto idealizado pelo empresário caxiense Euclides Sirena serve em média 13 mil refeições por mês 

Cidades da Serra discutem replicar projeto Prato Solidário Jonas Ramos/Agencia RBS
Foto: Jonas Ramos / Agencia RBS

O projeto Prato Solidário que serve, em média, 13 mil refeições por mês em Caxias do Sul, entrou na pauta da reunião do Parlamento Regional na última quarta-feira, em Farroupilha. Apresentar a iniciativa aos presidentes das Câmaras de Vereadores que compõem o colegiado teve como objetivo inspirar e provocar os parlamentares a replicarem o projeto nos seus municípios.

O projeto foi idealizado pelo empresário caxiense Euclides Sirena em meados de 2013. Começou atendendo a 45 crianças do bairro Jardelino Ramos e, depois, a moradores de rua. Porém, para ser efetivado no formato atual, a legislação de 1972, em vigor à época, precisou ser modificada. Ela sugeria que os estabelecimentos que doassem sobras de alimentos poderiam ser responsabilizados, caso houvesse dano à saúde de quem consumisse. 

Com a sanção da Lei 8.158, de 8 de dezembro de 2016, que autorizou o aproveitamento das sobras, desde que observada a legislação sanitária, o projeto passou a funcionar assim: Um grupo de voluntários percorre diariamente os restaurantes e cozinhas de indústrias parceiros recolhendo o excedente de alimentos dos almoços e entregando em entidades cadastradas. Atualmente, são 14 estabelecimentos e 11 entidades beneficiadas. Essas refeições atendem a 600 pessoas entre crianças, adultos e idosos de segunda a sexta-feira.

— Percebia muitas pessoas embaixo das sinaleiras pedindo comida. Em Caxias, diariamente, eram recolhidas pela Codeca (iam para o lixo), oito toneladas de comida saudável. Foram quase quatro anos até que a lei fosse modificada. Hoje, temos empresas querendo nos doar e entidades querendo receber. Precisa alguém que faça o processo acontecer. É uma questão de vontade e de amor pelo próximo — ressaltou Sirena.

 FARROUPILHA, RS, BRASIL, 11/07/2018Parlamento Regional discute replicar projeto Prato Solidário, desenvolvido em Caxias do Sul, para outras cidades da Serra. Iniciativa recolhe e distribui sobras de comidas de restaurantes e cozinhas industriais para entidades que atendem pessoas de baixa renda. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Assunto foi pauta da reunião do Parlamento Regional na última quarta-feira, em FarroupilhaFoto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Agora, caberá aos legislativos da Serra proporem leis para que o projeto possa virar realidade também em suas cidades.

— É um tema de importância regional, o qual, o parlamento pode encabeçar e pode disseminar essa sementinha para que nossas populações sejam contempladas. Muitas vezes, um projeto de fácil execução, mas se não tem alguém que faça, isso (alimento) acaba ficando nos restaurantes e refeitórios ou acaba indo para o lixo, em vez de ir para quem precisa — disse o presidente da Câmara de Vereadores de Farroupilha, Thiago Brunet, durante a sessão.

Leia também:
Professora de Carlos Barbosa concorre a premiação nacional
Justiça nega pedido da Codeca e mantém 36 funcionários trabalhando em Caxias
Blitz flagra 16 motoristas dirigindo sob efeito de álcool em Caxias do Sul



 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros