Centenas se reúnem em encontro cultural na Maesa, em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Patrimônio08/07/2018 | 18h35Atualizada em 08/07/2018 | 18h35

Centenas se reúnem em encontro cultural na Maesa, em Caxias

Além de shows, domingo teve aula pública sobre o espaço

Centenas se reúnem em encontro cultural na Maesa, em Caxias Maurício Concatto/Agencia RBS
Aula pública sobre o espaço teve participação de oito palestrantes Foto: Maurício Concatto / Agencia RBS

Centenas de pessoas participaram, na tarde deste domingo, de mais um encontro promovido pelo coletivo Abrace a Maesa, em Caxias do Sul. Com a Rua Plácido de Castro fechada, o espaço recebeu uma programação ao estilo arraiá, com apresentações de grupos como o Maracatu Baque dos Bugres e a banda Cuscobayo — responsáveis por uma grande aglomeração de pessoas. A comunidade também foi convidada a deixar recados em bandeirinhas que foram afixadas na extensão do prédio (foto abaixo).

Leia mais:
Memória: um abraço para ficar na história da Maesa
Discussões sobre projeto Maesa estão paradas há mais de seis meses em Caxias

O coletivo, formado pela sociedade civil, tem se empenhado para encabeçar atividades que lembrem a comunidade da necessidade da ocupação da Maesa.  

— A ideia é que as pessoas tomem ciência sobre a importância da Maesa. Nossa ideia é que a Maesa não seja esquecida como causa da cidade, um equipamento cultural que é nosso — comenta o jornalista Carlinhos Santos, um dos integrantes do coletivo que organizou o encontro. 

Um dos momentos mais interessantes da tarde foi uma aula pública sobre a Maesa conduzida por oito convidados. Participaram da mesa o jornalista Rodrigo Lopes, da Coluna Memória do Pioneiro; o presidente a União das Associações de Bairro (UAB), Valdir Valter; o representante do Conselho Municipal de Cultura na Comissão Especial da Maesa da Secretaria da Cultura, Cláudio Troian; a presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) Núcleo Caxias do Sul, Sílvia Nunes; o representante do Vivacidade, Tiago Fiamenghi; o historiador Roberto Nascimento; o representante da Associação dos Amigos da Memória e do Patrimônio Cultural de Caxias (Mousai), Orlando Michelli; e Jaison Barbosa, que, quando vereador, presidiu a Comissão Especial Pró-Tombamento da Maesa. Cada um teve cerca de cinco minutos para falar, acompanhados por dezenas de interessados no assunto. A conversa foi realizada no intervalo dos shows.

Encontro do coletivo Abrace a Maesa reuniu centenas neste domingo (08/07)
Roberto Nascimento foi um dos convidados da aula públicaFoto: Siliane Vieira / Agencia RBS

— É preciso lembrar que isso aqui é um patrimônio histórico do Brasil. Não podemos reduzir a história de Caxias a uma extensão da história da Itália, ela faz parte da industrialização brasileira _ enfatizou o historiador Roberto Nascimento, que abriu o papo.

Ele retomou um pouco sobre a história do tombamento do prédio, lembrando que o município entregou um plano de ocupação da Maesa ao Estado ainda em 2015.

_ Em dezembro de 2016, foi firmado um termo de de compromisso para esse plano ser executado. Portanto, se a prefeitura acha que pode fazer coisas diferentes do que está previsto nesse plano, está enganada _ enfatizou ele. 

A proposta do coletivo Abrace a Maesa é organizar novas edições dessa aula pública sobre o espaço, levando a iniciativca para outros lugares e atingindo outros tipos de público.  

Encontro do coletivo Abrace a Maesa reuniu centenas neste domingo (08/07)
Comunidade foi convidada a escrever em bandeirinhas afixadas no prédioFoto: Siliane Vieira / Agencia RBS

Leia também:
"Lula não está acima da lei, mas também não está abaixo", diz Pepe Vargas
Motorista com carro furtado tenta fugir de blitz e provoca acidente no centro de Caxias
Assaltantes que roubaram agências bancárias em Jaquirana fazem morador refém 
Idosa morre após cair de altura de três metros em Caxias do Sul 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros