Após ficar com o filho quase dois dias no Postão, mãe se obriga a pagar por exame particular - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Drama no SUS15/07/2018 | 18h28Atualizada em 15/07/2018 | 19h37

Após ficar com o filho quase dois dias no Postão, mãe se obriga a pagar por exame particular

Criança havia batido a cabeça e precisava de tomografia, mas não havia leitos na rede pública

Após ficar com o filho quase dois dias no Postão, mãe se obriga a pagar por exame particular Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Neste domingo, Postão também não tinha pediatras Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

O que poderia ter sido resolvido em algumas horas, virou um suplício para a massoterapeuta Léa da Silva dos Santos, 41 anos, e o bebê dela, Arthur, 9 meses. Os dois vivenciaram a confusão instalada na ala de observação pediátrica no Pronto-Atendimento 24 Horas (Postão) no final de semana, que enfrenta falta de médicos, aliada à histórica baixa oferta de leitos hospitalares para atender a demanda em Caxias do Sul. A criança havia batido a cabeça em casa e deu entrada no serviço por volta das 12h de sexta-feira. Para confirmar que tudo estava bem com o menino, a equipe médica optou por uma tomografia. Ali, começava o problema. 

Para tal exame, o médico plantonista afirmou que seria necessário um leito hospitalar. Só que não havia leitos disponíveis no Hospital Geral (HG) e a família foi submetida a uma longa espera num dos leitos do Postão até a troca do plantão, que ocorreu às 20h de sexta-feira. A partir desse momento, nada mudou. Os telefonemas da equipe para a Central de Regulação de Leitos, setor responsável por fazer os encaminhamentos aos hospitais, não surtiam nenhum efeito. A resposta era sempre de que não havia vagas. 

A espera prosseguiu até a manhã de sábado, quando Léa recebeu a informação de que a rede iria tentar dar alta para alguma criança hospitalizada, o que permitiria a ida de Arthur para a tomografia. A esperança foi diminuindo com o passar das horas e piorou com a troca de plantão da equipe pediátrica do Postão, às 20h de sábado.

— Foi um caos. Naquela hora, já havia toda uma correria para levar as crianças para outros locais da cidade, pois a ala pediátrica fecharia o atendimento à meia-noite. Era muito triste — descreve Léa.

Leia mais
Família relaciona morte de criança a uma suposta falha no atendimento no Postão e no Hospital Geral em Caxias do Sul
Conselho da Saúde acredita que falta de leito de UTI pediátrica influenciou na morte de criança em Caxias
Passeata lembra morte de bebê por suposta negligência médica em Caxias do Sul
Pais reclamam de demora no atendimento pediátrico na UPA Zona Norte em Caxias
Prefeito de Caxias quer novo plantão pediátrico na área central da cidade

Foi quando Léa decidiu fazer um exame particular. Ela conseguiu o atendimento no Hospital do Círculo, para onde Arthur foi levado de ambulância do município por volta das 22h de sábado. O hospital cobrou R$ 320 e constatou que o menino estava bem.

A família só conseguiu finalizar o atendimento no Postão por volta das 5h deste domingo, quando entregou os laudos do exame. A exemplo da mãe de Teylor Terra da Fonseca, 10 meses, que fez um vídeo para mostrar o sofrimento do filho à espera de UTI pediátrica na semana passada, Léa também fez uma postagem no Facebook mostrando Arthur e outras famílias que estavam no Postão. Diferentemente de Teylor, que acabou morrendo, o desfecho foi mais feliz para Léa.

— Graças a Deus, meu filho está bem. Me pergunto: por que internar para fazer um exame? Por que nos fizeram esperar tanto tempo? Não questiono a equipe médica pelo atendimento, mas sim essa falta de leito, a falta de medicamentos e materiais que vimos lá no Postão. Tinha mãe que saía com a receita para ir buscar na farmácia porque não havia os remédios disponíveis. Tinha criança que era picada porque não havia o medicamento oral — conta Léa.

A Secretaria da Saúde afirma que faltam pediatras nos plantões do SUS em Caxias e enfrenta dificuldade para preencher as escalas do Postão. Na sexta-feira, o prefeito Daniel Guerra anunciou o projeto de um novo plantão pediátrico pelo SUS na cidade,  ação que depende da aprovação do Conselho Municipal de Saúde. Sobre leitos hospitalares, a 5ª Coordenadoria Regional da Saúde (5ª CRS) admite que os leitos são insuficientes para dar conta da demanda em Caxias, mas a área mais problemática não seria a da pediatria, mas sim da UTI adulto.

 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros