Vila Oliva e São Francisco de Paula registram poucos danos em decorrência de temporal na Serra - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

susto11/06/2018 | 11h31Atualizada em 11/06/2018 | 11h31

Vila Oliva e São Francisco de Paula registram poucos danos em decorrência de temporal na Serra

Apesar dos estragos e da apreensão de moradores, transtornos não são considerados significativos

Pioneiro
Pioneiro

O sentimento de apreensão entre moradores do distrito de Vila Oliva, interior de Caxias, e do município de São Francisco de Paula, é bastante comum em dias de instabilidade climática. Isso porque nos últimos dois anos, os dois locais vivenciaram experiências traumáticas após ventos fortes provocarem estragos em ambas as regiões. 

Por isso, a sensação de alívio foi compartilhada na manhã de segunda-feira após a constatação de poucas avarias causadas pelo temporal que atingiu a Serra Gaúcha entre a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira.

Leia mais:
RGE estima que cerca de 40 mil clientes estejam sem energia na Serra 
Temporais provocam destelhamentos, queda de árvores e bloqueio de rodovias na Serra

São Francisco de Paula foi mais prejudicada. De acordo com a Defesa Civil, cerca de 25 residências sofreram avarias na cidade. Porém, nenhum dos casos foi considerado grave.

— Já distribuímos lonas e estamos cadastrando famílias para entregarmos telhas. Mas está tudo sob controle. Nada comparado ao que já vivemos — comenta o coordenador da Defesa Civil de São Francisco de Paula, Maurício Borges.

Já no distrito de Vila Oliva, que há poucos dias completou um ano desde que amanheceu coberta por escombros após ser atingida por tornado — que resultou em duas mortes, 115 pessoas desabrigadas e dezoito pessoas feridas —, apenas duas propriedades foram atingidas no temporal. Conforme a subprefeitura, os danos foram pequenos. 

Ainda assim, para os moradores atingidos, o pânico só chegou ao fim quando os ventos cessaram sem causarem maiores danos. Por volta das 21h, o casal Darci e Élia Zanol, de 69 e 62 anos, se escondeu no banheiro da residência porque esperavam o pior. Em 2017, a casa deles foi uma das que ficou destruída após a passagem do tornado. Élia conta que as telhas de um dos galpões voou em direção ao outro e provocou estragos, mas a residência ficou intacta. 

— O pior de tudo é o medo. O susto foi muito grande e quando começou o vento forte nós (ela e o marido) fomos para o banheiro e rezamos para que não acontecesse o mesmo do ano passado quando vidas foram perdidas. É um sentimento horrível esperar passar o vento e a chuva — desabava. 

Leia também:
Uniformizados, mais prestativos e com internet a bordo: o novo perfil dos taxistas de Caxias do Sul
Falta de mobilização de ciclistas e de avanços do governo travam desenvolvimento cicloviário em Caxias
Secretaria vai analisar proposta de instalação de ciclofaixa junto a corredores de ônibus em Caxias




 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros