Três moradores de Vacaria são investigados pelo desaparecimento de moradores de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Inquérito em aberto28/06/2018 | 06h00Atualizada em 28/06/2018 | 06h00

Três moradores de Vacaria são investigados pelo desaparecimento de moradores de Caxias do Sul

Trio deve ser submetido a um detector de mentiras

Três moradores de Vacaria são investigados pelo desaparecimento de moradores de Caxias do Sul  Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Propriedade rural de Eleandro Moraes onde os pedreiros trabalhavam ficava junto do rio. Foram feitas buscas na água e por terra com ajuda de helicóptero, mas nada foi achado. Um barco que estava à deriva também foi localizado Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Três homens estão sendo investigados pelo desaparecimento do empresário de Caxias do Sul Eleandro Aparecido Rodrigues Moraes, 40 anos, e dos pedreiros Nelson Jair Soares, 44, e Alexsandro do Amaral Correa, 23. Embora a Polícia Civil mantenha sigilo sobre o inquérito, a reportagem apurou que trio pode ser submetido a um detector de mentiras (polígrafo) na Delegacia de Polícia de Vacaria. 

Os investigados serão apresentados à polícia pelos advogados Carlos Alberto Sandoval e César Eduardo Perottoni. Os três homens já prestaram depoimentos em outras ocasiões na delegacia e negam qualquer relação com o sumiço dos moradores de Caxias. Contudo, a investigação quer confirmar se a versão deles é verdadeira. Mesmo que um detector de mentiras não seja considerada prova num inquérito, o resultado pode ser usado como indício de culpa.

Leia mais
Três moradores de Caxias estão desaparecidos no interior de Vacaria
Polícia suspeita que trio desaparecido em Vacaria tenha se afogado no Rio Pelotas
Bombeiros de Vacaria retomam buscas a trio desaparecido em propriedade rural do município
Desaparecimento de três homens em Vacaria completa 60 dias

Uma das hipóteses é de que Eleandro, Nelson e Alexsandro tenham sido vítimas de algum crime. Eles estão sumidos oficialmente desde o dia 3 de abril, quando foram vistos pela última vez por um vizinho na localidade de Capela do Caravaggio, distante cerca de 60 quilômetros da área urbana de Vacaria. Supostamente, os empresário e os pedreiros haviam ido até a localidade, às margens do Rio Pelotas, para trabalhar na construção da casa de Eleandro. 

Na moradia e no entorno da propriedade não havia sinal de violência. A polícia constatou que os três haviam feito uma última refeição antes do sumiço, pois foram deixados restos de comida sobre a mesa e um fogão. No início, imaginava-se que o empresário e os pedreiros teriam se afogado no Rio Pelotas, hipótese desconsiderada dias depois, já que nenhum corpo foi localizado após duas semanas de buscas. 

A investigação avançou e se chegou aos três investigados. Se houve um crime, não está claro qual seria a motivação dos suspeitos. Apesar de aparentemente nada ter sido levado de Eleandro e dos pedreiros, a polícia não descarta até mesmo um possível latrocínio (roubo com morte). Nesse caso, o alvo seria o empresário.

— Vamos apresentar os nossos clientes na delegacia e, havendo a possibilidade, eles serão submetidos a um detector de mentiras. Ninguém é obrigado a produzir provas contra si próprio e que quem não deve, não teme — enfatiza o advogado dos investigados Carlos Alberto Sandoval.

O delegado responsável pelo inquérito, Anderson Silveira de Lima, afirma que não há de concreto até o momento sobre o caso.

Nelson Soares, Eleandro Moraes e Alexsandro Corrêa (da esquerda para a direita) moravam em Caxias do SulFoto: Divulgação


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros