Representante de secretários da saúde do RS quer investimentos no setor e repasses em dia aos municípios - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Eleições28/06/2018 | 17h59Atualizada em 28/06/2018 | 17h59

Representante de secretários da saúde do RS quer investimentos no setor e repasses em dia aos municípios

Integrantes de prefeituras entregaram carta compromisso aos concorrentes ao governo do Estado em Gramado

Representante de secretários da saúde do RS quer investimentos no setor e repasses em dia aos municípios Rafael Cavalli/Divulgação
Diego Espíndola, presidente do Conselho das Secretarias Municipais do Rio Grande do Sul, discursa durante encerramento do congresso Foto: Rafael Cavalli / Divulgação

Terminou na tarde desta quinta-feira, em Gramado, o 30° Congresso do Conselho das Secretarias Municipais do Rio Grande do Sul (Cosems-RS). Desde terça-feira, quase 500 secretários da saúde de cidades gaúchas discutiram os desafios e soluções na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). O evento culminou com a entrega de uma carta aos pré-candidatos ao governo do Estado, com 15 compromissos a serem cumpridos.

— A nossa intenção é ter essa carta assinada para depois podermos cobrar, "e aí, candidato?" — pontua Diego Espíndola, presidente do Cosems e secretário da Saúde de Piratini, no sudeste do Estado.

Leia mais
Pacientes faltam a mais de 15% das consultas com especialistas pelo SUS em Caxias
Saúde ganhou mais verba em Caxias, mas gargalos no atendimento continuam

Os candidatos Miguel Rosseto (PT) e Jairo Jorge (PDT) assinaram o documento. A carta também será encaminhada aos outros postulantes ao Piratini. Os municípios elegeram como prioridade de cobrança a garantia de aplicação mínima de 12% dos recursos do Estado para a saúde pública e o repasse em dia de verba aos municípios e hospitais. Além disso, foram debatidas propostas para melhorias no acesso e na qualidade dos atendimentos e o problema da judicialização da saúde, conforme Espíndola. Confira trechos da entrevista com o presidente do Cosems:

Pioneiro: Qual é o principal desafio para a gestão da saúde pública no RS?
Diego Espíndola
: A principal perspectiva para esse ano é fazer mais com o que temos. Eu acho que melhorando a gestão, principalmente aplicando os recursos de maneira mais resolutiva na ponta, conseguimos ter impactos positivos. Hoje, os municípios acabam pagando a conta de fazer saúde pública por conta de um repasse baixo de recursos do Estado, com atrasos, e financiamento muito baixo federal. Então, as cidades têm esse desafio. Eu sempre digo que o SUS acontece nos municípios. E, às vezes, os governos estaduais e federais não olham para isso e acabam tendo toda essa dificuldade de dar uma efetividade no atendimento, pela sobrecarga que o município acaba pagando. 

O subfinanciamento do SUS é crítica recorrente. É uma demanda a ser levada aos candidatos?
Certamente, é uma das coisas que vamos pedir. Eu acho que o primeiro momento é que os candidatos se comprometam a pagar em dia. Se nós conseguirmos isso no primeiro ano (de governo), acho que é uma grande vitória para todos. E, principalmente, rever alguns financiamentos que foram retirados, porque os hospitais também passam por um momento de extrema dificuldade e muitos ameaçam interromper serviços por conta do subfinanciamento. 

O Cosems entrega uma carta compromisso com o SUS gaúcho. Temos uma proposta de, no dia 30 de dezembro, já com a posse do novo governador, entregar um diagnóstico da saúde no RS, com a contribuição do Cosems. Porque não adianta só apontar as dificuldades. Queremos propor de duas a três alternativas para o futuro governador, de como resolver esse gargalo que o Cosems entende que é prioridade. É uma demanda quase geral, que envolve os eixos da atenção básica, a assistência farmacêutica, média e alta complexidade, urgência e emergência, vigilância sanitária. Nesse primeiro momento, estamos vendo a situação geral, que os municípios votaram e elencaram. No dia 30, se começa a falar de uma situação mais pontual. 

A regionalização do parto, por exemplo. Hoje é uma pauta contínua que está em debate, e agora o Cosems coloca em evidência o parto humanizado e o problema da violência obstétrica, para garantir que as mulheres tenham proteção e autonomia durante todo esse processo. Outras questões, como o aborto, também precisam ser levantadas, porque a saúde pública vai ter que assumir essa responsabilidade. Hoje, os abortos ilegais matam muitas mulheres que fazem o procedimento de forma clandestina e a gente não dá uma retaguarda no SUS para isso. Isso tem que ser levado ao debate nacional. 

Há a traumatologia, que é um caos hoje no Estado, a neurologia, que temos uma demanda reprimida muito grande... Nós vamos dizer para o governador que a parceria com os municípios é essa, e se ele quiser seguir essa ou aquela estratégia, teremos uma resolutividade. Nós queremos ser parceiros, governar junto e dizer quais são as dificuldades, mas oferecer possibilidades. A maior experiência de realizar SUS no país está nos municípios. É o município que vê na ponta a dificuldade de fazer saúde publica.

Em Caxias, um problema observado é a falta de médicos para atender na rede pública, o que acaba provocando aumento na espera por atendimentos. É algo que ocorre no restante dos municípios?
Isso é uma demanda nacional. Hoje, com a baixa arrecadação, com essa crise, acabou que o índice (limite) da folha de pagamento extrapolou em qualquer município. Então, tu não tens como fazer uma oferta atrativa para que os profissionais venham e queiram trabalhar para o município. Acaba que o setor privado vira uma concorrência bastante grande. Se não se oferece um valor que seja atrativo, ninguém vem. A gente acredita que o Rio Grande do Sul tem de evoluir com programas próprios, como o próprio Mais Médicos. Ter um Mais Médicos gaúcho, um Mais Especialidades gaúcho. Fazer convênios com países próximos e aproveitar esses profissionais. Acho que por aí teremos uma efetividade e uma abrangência maior de médicos para todo o interior do Estado e outras cidades que tem essa dificuldade, que não é só de Caxias.  

A prefeitura de Caxias quer transferir médicos do Pronto-Atendimento 24 Horas (Postão) para a rede básica como forma de melhorar o atendimento, mas para isso defende compartilhar a gestão do local com uma organização privada. No entanto, o Conselho Municipal de Saúde e os servidores criticam a medida, caracterizando-a como uma terceirização do serviço. Esta é uma solução possível? Há outros caminhos?
A terceirização é uma pauta pujante hoje em diversos locais, mas a gente sabe que há denúncias sobre serviços terceirizados e ficamos preocupados. A gente tem dito para os secretários que, quando fizerem isso, o façam com empresas que tenham idoneidade e histórico de atuação no Estado ou no Brasil. Na licitação, muitas vezes os "pilantras" chegam e se apropriam do processo, e a licitação às vezes não dá embasamento para uma revisão de contrato. Temos casos positivos, inclusive, pode-se dizer a maioria das parcerias funciona, mas é necessária muita atenção.  

Neste ano, quando o SUS completa 30 anos, tanto no governo federal quanto no estadual é priorizada a contenção de gastos para o reequilíbrio das contas públicas. Como lutar por mais investimentos no setor com esse cenário?
Há um movimento, realmente, que fala em corte de gastos e inclusive cita a privatização da alta e média complexidade do SUS. A luta para um SUS universal tem de ser não só política. Tem de passar desse âmbito e virar uma luta comunitária. O SUS ganhou 3 milhões de usuários com a crise econômica dos últimos anos, com pessoas que não puderam mais pagar seus planos de saúde. Não dá para ter limitação de investimento por 20 anos (em referência à lei federal que limita gastos públicos à inflação), ainda mais com o crescimento da população. Muita gente diz, "mas eu não uso o SUS". O SUS não é só a consulta, a emergência. Tem uma ampla gama de serviços, como a Vigilância Sanitária, que fiscaliza a qualidade da água. Quando tu tomas água em casa, tu estás usando o SUS. Esse é um conceito que tem que ser revisto. A população tem que abraçar a luta por investimentos no SUS.  

OS COMPROMISSOS

Futuros pré- candidatos a governo do Estado Miguel Rosseto (D) e Jairo Jorge (E) assinam a carta- relatório situacional da saúde entregue pelo presidente do Cosems RS, Diego Espíndola (assinando), durante o encerramento do 30 Congresso do Cosems RS, realizado em Gramado de 26 a 28 de junho.
Pré-candidatos ao governo do Estado Jairo Jorge (à esquerda), do PDT, e Miguel Rosseto (à direita), do PT, assinam a carta entregue pelo presidente do Cosems, Diego EspíndolaFoto: Rafael Cavalli / Divulgação

Confira os pontos do documento entregue aos pré-candidatos, que serão cobrados pelo Cosems:

1. Cumprir e fazer cumprir a legislação da saúde e seus princípios: "universalidade, equidade, integralidade, regionalização e hierarquização, descentralização e participação da comunidade".

2. Efetivar através de ações práticas a promoção, proteção e a recuperação da saúde, através da intersetorialidade — saneamento, educação, transporte, cultura, lazer, etc.  

3. Garantir e/ou trabalhar pela garantia dos recursos financeiros para a saúde, seguindo os preceitos legais de no mínimo 12% dos recursos próprios do Estado para a saúde pública.  

4. Atualizar, ampliar, realizar e/ou fiscalizar o cumprimento e a regularidade dos repasses e incentivos das diversas políticas públicas de cofinanciamento estadual (PIES, ESF, NASF, Saúde Mental, SAMU, AFB, Hospitais, etc.). 

5. Qualificar, aperfeiçoar e fortalecer às Redes de Atenção à Saúde com resolutividade de média complexidade nas regiões, e de alta complexidade nas macrorregiões, tendo como ordenador do cuidado à Atenção Básica. 

6. Ampliar a cobertura de Estratégia da Saúde com qualificação efetiva dos processos de trabalho das equipes de Atenção Básica.  

7. Estruturar e/ou garantir o cofinanciamento dos ambulatórios de atenção especializada na lógica das redes de Atenção à Saúde regionalizadas, prioritariamente públicas, com atenção contínua aos usuários, e o efetivo compartilhamento do cuidado com a Atenção Básica nas condições/doenças crônicas.  

8. Qualificar a assistência hospitalar no Estado, pactuando a participação efetiva de cada unidade, seja de pequeno, médio ou grande porte, dentro das Redes de Atenção à Saúde, respeitando as características e necessidades loco regionais.  

9. Fortalecer as Coordenadorias Regionais de Saúde para o conhecimento das políticas de saúde vigentes com o objetivo de apoiar a organização dos sistemas de saúde dos municípios e regiões com técnicos qualificados _ romper a organização por programas e trabalhar com a organização das Redes de Atenção à Saúde, respeitando a realidade local/regional, com fortalecimento da Comissão Regional de Saúde, CIR regional.  

10. Revisar as Regiões de Saúde para garantir a suficiência e a resolutividade da atenção de média complexidade das necessidades da população adscrita, avaliando a proximidade, fluxos viários, capacidade instalada e cultura de cada região.  

11. Organização dos Comitês Gestores das sete Macrorregiões para a estruturação das Redes de Atenção à Saúde com resolutividade para a maioria das demandas para Atenção Terciaria; organização de fluxos e contrafluxos das referências pactuadas nas instâncias de gestão regional e estadual, com identificação dos vazios assistenciais.  

12. Estruturar a política de Educação Permanente em Saúde com financiamento estadual — para trabalhadores do setor saúde e em educação em saúde coletiva — fortalecendo os núcleos municipais e regionais, na construção e execução das ações orientada pelas Redes de Atenção à Saúde.  

13. Ampliar o cofinanciamento para a Rede de Urgência e Emergência desde o custeio das Unidades de Suporte Básico e Avançado e das portas de entrada dos serviços de urgência e emergência, com identificação e investimento nos territórios ainda descobertos por SAMU; unificar procedimentos de regulação no Estado do Rio Grande do Sul. 

14, Estruturar ações intersetoriais e interinstitucionais, articuladas entre as distintas Secretarias de Governo e os poderes legislativo e judiciário para enfrentar a judicialização da saúde, diminuindo o impacto orçamentário no Estado e nos municípios.  

15. Cumprir a legislação na qual a instância de Pactuação e Deliberação do SUS é a Comissão de Intergestores Bipartite, onde o Cosems é a entidade representativa das Secretarias Municipais da Saúde e interlocutora para a definição das políticas de saúde no RS.   

Leia também
Greve faz indústria de Caxias patinar em maio, mas previsões são otimistas
Em dois dias de fiscalização, mais de mil motoristas são autuados por excesso de velocidade na Serra

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros