Prefeitura de Farroupilha abre sindicância para avaliar contrato com a Corsan - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Serviço 12/06/2018 | 15h10Atualizada em 12/06/2018 | 15h10

Prefeitura de Farroupilha abre sindicância para avaliar contrato com a Corsan

Objetivo é verificar obrigações contratuais que foram descumpridas

Prefeitura de Farroupilha abre sindicância para avaliar contrato com a Corsan Carlinhos Rodrigues/Agencia RBS
Prefeitura também contrata empresa para análises próprias da qualidade da água Foto: Carlinhos Rodrigues / Agencia RBS

O contrato da Corsan para abastecimento de água e tratamento do esgoto está na mira de uma sindicância aberta pela prefeitura de Farroupilha. Até o fim de agosto, um grupo formado por nove servidores públicos, incluindo três secretários municipais, faz a análise do documento. 

Conforme o secretário de Meio Ambiente, Miguel Angelo Silveira de Souza, a ideia é fazer um levantamento de quais obrigações contratuais foram cumpridas ou não pela Corsan e pela prefeitura. Ele diz que o objetivo da sindicância não é levar ao rompimento do contrato, mas adequá-lo. 

Há pelo menos dois anos, a prefeitura de Farroupilha cogita criar uma autarquia municipal para abastecimento de água e tratamento de esgoto. A operação seria semelhante ao Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Caxias do Sul.

Uma das principais reclamações da prefeitura é o fato de que o município não tem esgoto tratado. Na justificativa da abertura de sindicância, a prefeitura cita a falta de serviços de esgotamento sanitário e as constantes interrupções no abastecimento de água na cidade. 

A administração municipal também vai contratar uma empresa para ter análises próprias da qualidade da água em Farroupilha. A Corsan garante que os moradores recebem o líquido potável e apresenta relatórios ao município com essa comprovação. No entanto, as reclamações sobre o cheiro e gosto da água na cidade levam a administração municipal a refazer as análises. 

 Leia também:
Indústria caxiense se recupera, mas ainda não registra crescimento real
Marelli, de Caxias, firma parceria internacional
"O problema das empresas é não saber lidar com a carência afetiva das pessoas", diz Frei Jaime 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros