Cidade inteligente, por Jorge Luís Andreazza - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião22/06/2018 | 13h53Atualizada em 22/06/2018 | 13h53

Cidade inteligente, por Jorge Luís Andreazza

Autor é Administrador de empresas

Cidade inteligente, por Jorge Luís Andreazza reprodução/
Foto: reprodução
Pioneiro

Caxias do Sul foi, é e continuará sendo uma cidade empreendedora. No entanto, duas perguntas permeiam as discussões sobre o assunto: qual será a nova matriz econômica que irá capitanear o setor produtivo de Caxias do Sul no futuro? Quais as alternativas viáveis?

Leia mais
É pela vida das mulheres, por Luciana Genro
O que realmente foi a ditadura?, por Bruno Sirtori

No cenário mundial, existem sinais claros e evidentes de que as atividades econômicas estarão umbilicalmente relacionadas com o conhecimento e uma forte integração de todas as dimensões da inteligência disponíveis em uma cidade.

Na dimensão humana de inteligência podemos destacar a inventividade e a criatividade das pessoas que residem na cidade. Essa perspectiva foi descrita por Richard Florida como "cidade criativa", que agrega os valores e desejos da "nova classe criativa", constituída pelo talento e conhecimento de cientistas, artistas, empresários, além de outras pessoas criativas, que têm enorme impacto na determinação de como é organizado o espaço de trabalho e, portanto, se as companhias vão prosperar, e consequentemente, se a cidade irá desenvolver-se ou não.

Na dimensão da inteligência coletiva, que corresponde aos indivíduos que habitam o município, verifica-se a capacidade da população em cooperar intelectualmente na criação, inovação e invenção. Os processos coletivos de criação e os aprendizados são realizados através de trocas de conhecimento, criatividade intelectual e a capacidade de um grupo específico para decidir sobre o futuro e controlar as formas de atingi-lo em contextos complexos.

Por último, temos a dimensão relacionada à inteligência artificial, que está inserida no ambiente físico disponível para os cidadãos, no qual as ferramentas públicas são utilizadas para a solução de problemas da população. Nesse ambiente de cidade inteligente devemos desenvolver rotinas de cooperação social, permitindo a evolução e a adaptação dos conhecimentos, além de fortalecer habilidades de inovar, solucionar e gerenciar fatores críticos de inteligência.

Caxias precisa e vai caminhar no sentido de ser uma cidade inteligente. Cabe saber quais são os passos que deverão ser tomados daqui por diante. Eles irão definir em qual velocidade se encontra o crescimento. Nossa cidade possui diversos talentos e disposição. São novos tempos, de fato; a herança cultural trazida por nossos antepassados certamente não irá se abater, não irá pestanejar e nem esmorecer. 

Esse é o desafio para o nosso município, definir papéis, atores e um cenário para mantermos o título honroso de cidade que, além dos negócios, também é empreendedora e boa para se viver.

Leia também:
Caxias do Sul celebra 128 anos acolhendo estrangeiros
Patrono da 22ª Feira do Livro de Gramado, Leonid Streliaev quer alavancar o turismo cultural 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros