Autismo é foco de ações em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Produção09/06/2018 | 09h30Atualizada em 09/06/2018 | 09h30

Autismo é foco de ações em Caxias do Sul

Rotina de menina de Caxias com autismo será um dos casos exibidos em produção audiovisual 

Autismo é foco de ações em Caxias do Sul Mateus Pato/Divulgação
Foto: Mateus Pato / Divulgação

Transtorno do neurodesenvolvimento e com causas ainda desconhecidas, o autismo é foco de movimentos importantes na Serra Gaúcha. Além de Caxias sediar, pela primeira vez, um seminário especializado neste tema, com cientistas que comandaram pesquisas internacionais escalados como palestrantes, uma equipe de cineastas visitou a cidade para documentar a rotina de uma criança autista. É o dia a dia de Sophia Carolina Ely, de cinco anos, que interessou a uma equipe de diretores do Rio de Janeiro e São Paulo. Ela será um dos personagens de um documentário que retratará o autismo como estudo e também manifestação de carinho e amor. 

A ideia surgiu do diretor Johnny Araújo, que é tio de uma criança autista e se interessou pela tema. Quem atendeu ao chamado dele foi o cineasta e também diretor do filme chamado Um Olhar que Fala, Leandro Lima, do Rio de Janeiro. Não há data prevista de lançamento. As filmagens ocorreram na primeira quinzena de maio em Caxias, com equipe de cinco profissionais.

— No momento em que conheci a Sophia, comecei a me encantar e surgiu então uma troca muito legal. A ideia é querer ajudar de alguma forma a questão da inclusão, debatendo o autismo em formas como essas crianças são recebidas nas escolas, e como adultos, como viverão daqui 20 anos? — questiona Lima.

A equipe acompanhou por dois dias a ida de Sophia à escola, a tratamentos de neurologia e fonoaudiologia, e acima de tudo, ao calor e companheirismo dos pais Raquel e Daniel Ely. Ela, consultora em Educação Inclusiva e especialista em Neurociências, e ele, administrador de empresas, decidiram levantar a bandeira pela propagação de informações sobre o tema, e formam uma família que dedica bastante tempo e investimento em melhorar a qualidade de vida de Sophia. 

— A Sophia vai fazer um mapeamento do DNA, e chegamos ao nome dela por meio de laboratórios. A família dela é muito dedicada, e a questão do diagnóstico dela ter acontecido no início certamente é um diferencial — explica Leandro.

Sophia foi diagnosticada com autismo aos 14 meses, quando sua família morava nos Estados Unidos, e será uma das histórias abordados no material. O filme ainda está na fase de captação de recursos, e o material filmado em Caxias do Sul servirá como uma espécie de trailer, apresentado para os possíveis investidores.

— A Sophia nos surpreendeu, ela adorou andar por aí com as câmeras atrás dela. É bom poder mostrar o trabalho de amor que temos com ela, que requer bastante dedicação mas depois os resultados aparecem. Se ela entende inglês, português e espanhol, é por conta do treinamento multidisciplinar que recebeu nos Estados Unidos e pelo empenho de toda família — completa.  

O SEMINÁRIO

:: O quê: O seminário irá aprofundar conhecimentos sobre o autismo, visando a melhorar os processos de inclusão e terapêutica, bem como a qualidade de vida das pessoas acometidas.

:: Quando: 12 de setembro, às 17h30min.

:: Onde: no UCS Teatro, no bloco M.

:: Quanto: R$ 25 (estudantes, professores e monitores), R$ 35 (associados da CIC), R$ 50 (público em geral).

:: Inscrições: até 12 de setembro, as vagas são limitadas. O formulário de inscrição está no link https://goo.gl/uj3e55.

:: Informações no site http://unitea.com.br/.

Leia também:
Com a chegada do frio, municípios da Serra Gaúcha oferecem festas com farta gastronomia 



 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros