Dia Mundial sem Tabaco alerta para doenças provocadas pelo cigarro - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde31/05/2018 | 08h00Atualizada em 31/05/2018 | 08h00

Dia Mundial sem Tabaco alerta para doenças provocadas pelo cigarro

O tabagismo tem relação com mais de 50 enfermidades

Dia Mundial sem Tabaco alerta para doenças provocadas pelo cigarro Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação

Mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente por doenças decorrentes do uso de tabaco no mundo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 200 mil óbitos por ano. Essas cifras persistentes motivam a campanha do Dia Mundial sem Tabaco, celebrado nesta quinta-feira. 

Leia mais
Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até dia 15 em Caxias
Câncer é a doença que mais mata em Caxias do Sul

O tabagismo é associado mais frequentemente ao câncer de pulmão, mas também tem relação com aproximadamente 50 enfermidades. Neste ano, a OMS alerta para a associação do fumo com complicações cardiovasculares, que podem culminar em acidente vascular cerebral (AVC) e infarto. 

Já em Caxias, a prefeitura associou a data ao Maio Vermelho, campanha de prevenção ao câncer de boca. Conforme Adriana Demathe, doutora em Estomatologia e professora de Odontologia do Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG) que atende no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) de Caxias, mais de 90% dos tumores na boca e na orofaringe — parte da garganta logo atrás da boca — são provocados pelo tabagismo. 

— A pessoa que fuma, dependendo da quantidade de cigarros, tem de seis a 16 vezes mais chance de desenvolver câncer de boca do que quem não fuma. Se a pessoa beber (bebidas alcoólicas), aumenta o risco ainda mais — explica.

Adriana relata que costuma atender cerca de um paciente com câncer de boca por mês. Em maio, mês da campanha de prevenção, já foram quatro:

— Essas campanhas são extremamente importantes para alertar a população. Esses quatro últimos pacientes, inclusive, já estão em estágio grave. A pessoa às vezes até sabe que  o tabaco faz mal, mas não sabe como o câncer se expressa inicialmente.

A detecção precoce é crucial para a cura da doença. Segundo a cirurgiã-dentista, o próprio paciente pode fazer o autoexame. É só verificar a parte interna da boca, em frente a um espelho, e procurar por qualquer mancha branca, caroço ou ferida. Caso o sintoma não desapareça em até duas semanas, pode ser sinal de tumor. 

— Fazendo isso com uma certa frequência, a pessoa vai perceber qualquer alteração — aponta Adriana.

A maneira mais eficaz de prevenção, porém, é deixar de fumar o quanto antes. Em dois dos últimos casos atendidos pela dentista, os pacientes haviam deixado de fumar há quatro anos e mesmo assim foram vítimas da doença. 

— Não existe risco zero, porque há o fator genético. Mas a grande maioria tem (o câncer) pelo tabaco e o álcool. E demora de quatro a cinco anos para a pessoa se ver livre de todos os fatores danosos do cigarro. Antes desse período, a pessoa não é considerada como não fumante. Apesar do fator genético, as mudanças de hábito são extremamente importantes. Dependendo do hábito adotado, fica mais difícil de contrair doenças cardiovasculares ou respiratórias crônicas, que o cigarro também provoca — conclui. 

O TABAGISMO EM NÚMEROS

No mundo:
:: Conforme a OMS, o tabaco contribui 22% dos casos de câncer no mundo.
:: A estimativa é que cerca de 7 milhões de pessoas morram em decorrência do uso de tabaco a cada ano.
:: Destas, quase 900 mil pessoas são fumantes passivas.  
:: Isso ocorre porque a fumaça que se difunde pelo ambiente contem, em média, três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono e até 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que o fumante inala.  
:: A campanha do Dia Mundial sem Tabaco deste ano alerta para a relação do cigarro com as doenças cardiovasculares, principal causa de morte no mundo.
:: O uso do tabaco é responsável por cerca de 12% das mortes por doenças do sistema circulatório e a segunda maior causa de AVC, depois da pressão alta. 

No Brasil:
:: Estima-se que no Brasil, a cada ano, 200 mil pessoas morram precocemente devido às doenças causadas pelo tabagismo, segundo o Inca.
:: No Brasil, as doenças cardiovasculares são responsáveis por quase 30% de todos óbitos registrados no anualmente.
:: O percentual de fumantes vem caindo, mas ainda é expressivo. Em Porto Alegre, por exemplo, 13,6% das pessoas com 18 anos ou mais declararam ser fumantes, conforme a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção Para Doenças por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2016. É a segunda capital com maior prevalência de fumantes, depois de Curitiba.

Em Caxias:
:: O câncer é a doença que mais mata na cidade, com 638 óbitos registrados em 2017. Entre os tipos da doença, os tumores no pulmão são os mais letais: foram 107 mortes no ano passado.  
:: As doenças do aparelho circulatório são a segunda principal causa de morte na cidade, com 592 óbitos em 2017. 

Leia também
Confira quais postos de Caxias estão abastecendo nesta quarta-feira
Delegado considera pouco provável hipótese de que homem foi baleado em Caxias por conta do combustível

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros