Cerca de 350 pessoas participam de protesto no Centro de Nova Roma do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Ato pacífico29/05/2018 | 17h11Atualizada em 29/05/2018 | 17h13

Cerca de 350 pessoas participam de protesto no Centro de Nova Roma do Sul

Manifestantes saíram da ERS-448 para rumar ao Centro

Cerca de 350 pessoas participam de protesto no Centro de Nova Roma do Sul Junior Lodi / Divulgação/Divulgação
Foto: Junior Lodi / Divulgação / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Os manifestantes que estavam desde domingo paralisados nas margens da ERS-448, na entrada de Nova Roma do Sul, rumaram ao centro da cidade na tarde desta terça. Se juntaram aos caminhoneiros os agricultores, comerciantes, estudantes e pequenos empresários.

Leia mais:
Comboios com escolta do Exército devem garantir chegada de insumos a Caxias

De acordo com a Brigada Militar, foram mais de 350 pessoas que ficaram concentrados na praça da matriz, entoando o hino nacional e rio-grandense, enquanto carregavam bandeiras do Brasil e pediam a redução dos preços dos combustíveis, a saída de Temer e melhores condições de saúde, educação e segurança. 

— Caminhoneiros, empresários, população: vamos parar. Esse pessoal que está lá em Brasília sentado e rindo da nossa cara precisa nos ouvir! — discursou o empresário Tranquilo Tessaro, chamado pelos representantes dos motoristas.

A atividade foi organizada através das redes sociais e teve também o apoio do pároco do município, que pelos alto falantes da torre da igreja matriz, convocou os moradores a participarem do ato.

— Não se trata de uma greve, pois somos uma sociedade unida que quer trabalhar. Chegou o momento de mostrarmos às autoridades que estamos cansados de ver nossos sonhos serem enterrados e os fardos pesados serem colocados nos ombros do povo trabalhador —  defende o padre Gilberto Lazzaroto.  Depois de cantar os hinos, a comunidade rezou. 

Alunos do Colégio Estadual Nova Roma também participaram. O diretor da escola, Cristiano Panozzo, explicou que a decisão foi unânime entre os professores.

– Seremos nós, professores, que estaremos em greve aqui um dia. Esperamos que nesse dia sejamos tão valorizados quanto a gasolina é hoje — opina Panozzo.

Depois do ato na praça, os manifestantes fizeram uma carreata pela Júlio de Castilhos, principal rua da cidade.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros