A palavra é: planejamento, por Gustavo Toigo  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião 11/05/2018 | 10h45Atualizada em 11/05/2018 | 10h45

A palavra é: planejamento, por Gustavo Toigo 

Ele é vereador (PDT) e Presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Fiscalização e Controle Orçamentário (CDEFCO)

A palavra é: planejamento, por Gustavo Toigo  reprodução/
Foto: reprodução

 Pensar em como será o mundo e nosso município no futuro é, além de necessidade, investimento. É uma maneira de preparar o lugar onde viverão nossos filhos, netos e bisnetos, montando o terreno para as próximas gerações.

O desafio é grande e inclui obrigatoriamente o poder público. Dificuldades enfrentadas hoje precisam ser colocadas na balança para que não inflem a ponto de ficarem fora de controle daqui a algumas décadas.

De acordo com o Censo demográfico de 2010, Caxias foi a cidade onde, entre 2000 e 2010, a população mais aumentou em todo o Rio Grande do Sul. Sabemos que nossa terra é conhecida pelo trabalho, pelo potencial industrial e onde o turismo começa a crescer, o que segue atraindo milhares de novos moradores. Repensar os processos produtivos e definir espaços para incentivar a inovação e a tecnologia também é primordial.

Preparar a educação é um dos grandes desafios, pensando na valorização de escolas e professores. Mesmo com estudo em dia, será necessário dar condições dignas de saúde, ainda que, também de acordo com o IBGE, o número de idosos vai mais do que triplicar até 2050 no Brasil. 

Reciclar e reaproveitar o lixo que produzimos também não pode ficar fora da pauta. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que os resíduos sólidos urbanos produzidos anualmente no mundo vão saltar de 1,4 bilhão de toneladas para 2,2 bilhões de toneladas até 2024. Estudar como lidar com esse montante, reaproveitando em iniciativas como geração de energia, é uma preocupação que Caxias também deve ter.

Criar condições para o crescimento sustentável, com uma mobilidade eficiente, é alternativa também para o incremento da economia. Todo esse planejamento não pode deixar de fora a segurança: para se ter uma ideia, Caxias do Sul registrou, em 2017, 126 assassinatos. Estratégias para proteger a população são um dos grandes quebra-cabeças para as autoridades.

Como percebemos, não será fácil construir a cidade ideal para os próximos anos mas, com um planejamento iniciado agora, estaremos no caminho. O futuro está logo ali.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros