Recicladores vão atuar junto à usina de resíduos sólidos de Bento Gonçalves - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Geração de Energia11/04/2018 | 16h36

Recicladores vão atuar junto à usina de resíduos sólidos de Bento Gonçalves

Integração poderá ocorrer pela contratação como funcionários ou outra forma de parceria

Recicladores vão atuar junto à usina de resíduos sólidos de Bento Gonçalves Léo Cardoso/Agencia RBS
Com projeto, Bento Gonçalves deixará de levar lixo para o aterro de Minas de Leão Foto: Léo Cardoso / Agencia RBS

 Bento Gonçalves tem seis recicladoras formalizadas em atuação que devem ser integradas à empresa que for escolhida para operar a usina de resíduos sólidos urbanos do município. Conforme o secretário de Desenvolvimento Econômico, Sílvio Pasin, os recicladores podem ser contratados como funcionários ou fechar outra forma de parceria com a empresa.

Esse é um dos aspectos que será avaliado nas propostas de projeto para instalação da usina. Dois modelos foram selecionados nesta semana e passam por avaliação de um comitê gestor. O escolhido vai embasar uma licitação a ser lançada pela prefeitura. 

O comitê gestor tem prazo até 10 de maio para escolher o projeto. Depois, será realizada uma audiência pública para debater o assunto. Em seguida, o processo licitatório para definir a responsável por operar o serviço será aberto. A previsão é que isso ocorra até 30 de junho. A usina deve entrar em funcionamento até o fim do segundo semestre de 2019, conforme a prefeitura. 

A integração dos recicladores será necessária porque o material orgânico será separado do inorgânico. O primeiro será destinado para a geração de energia elétrica, enquanto plásticos, papel, metais e vidros serão encaminhados para a reciclagem. A primeira etapa de separação deverá ocorrer ainda na esteira.

Por dia, Bento Gonçalves produz cerca de 124 toneladas de lixo. Com a usina de resíduos sólidos urbanos, a ideia é gerar energia elétrica para abastecer prédios públicos, como a prefeitura, escolas e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRS). A economia mensal prevista é de R$ 3 milhões com as contas de luz e de R$ 5 milhões com o transporte e aterro de lixo em Minas do Leão, de acordo com o secretário Pasin.

O terreno onde a usina será instalada é na Estrada da Vindima e pertence ao município. É onde hoje ocorre o transbordo do lixo. A duração do contrato para operação da usina ainda está indefinido, mas inicialmente a previsão era de que fosse de 30 anos. Após o fim da parceria, os equipamentos instalados na área passam a pertencer ao município. 

 Leia também:
Rodeio Crioulo Nacional de Flores da Cunha começa nesta quinta-feira
Obra de nova pista BR-116 em Caxias está parada
8º foco de mosquito da dengue é encontrado em Caxias  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros