Para onde Caxias cresce: por que o Oeste é a região onde a expansão deve ser maior - Geral - Pioneiro
 

Zona Urbana28/04/2018 | 07h00Atualizada em 28/04/2018 | 12h24

Para onde Caxias cresce: por que o Oeste é a região onde a expansão deve ser maior

Região Oeste é a que mais deve crescer nos próximos anos. Técnicos e especialistas, porém, projetam uma cidade mais compacta

Para onde Caxias cresce: por que o Oeste é a região onde a expansão deve ser maior Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Um dos novos loteamentos na Região Oeste, nos fundos da sede recreativa da Marcopolo, às margens da Rota do Sol, surge com a projeção de atrair a população para uma área até então pouco explorada Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Se há uma região de Caxias do Sul que lidera a expansão urbana é a Zona Oeste, especialmente na ligação até Farroupilha, que abrange pelo caminho os bairros Desvio Rizzo, Cidade Nova e Forqueta. A constatação é óbvia e já vinha sendo cogitada há décadas, embora o avanço não tenha se mostrado tão rápido como se previa, com exceção do crescimento no entorno do Shopping Iguatemi.

Leia mais
Revisão do Plano Diretor propõe a redução da área urbana de Caxias do Sul
Crescimento do Norte traz apreensão
Por que o Oeste é a região onde a expansão deve ser maior?
Proposta de redução do perímetro urbano não deve impedir expansão de Caxias do Sul 

Desde 2016, a Secretaria do Urbanismo aprovou seis novos loteamentos no Oeste, sendo que o maior deles é o Praça do Sol, com 267 lotes residenciais nas imediações do acesso à Estrada dos Romeiros (que leva ao Santuário de Caravaggio). Há também uma nova área industrial nascendo perto do viaduto torto. 

— Ali, percebemos um crescimento sem volta já que há essa ligação com Farroupilha. A tendência é de que os dois municípios se juntem numa grande área, a exemplo do que ocorreu em Porto Alegre e cidades próximas — projeta o Paulo Demori, diretor de uso do solo da Secretaria Municipal do Urbanismo.

Para o presidente da Associação Brasileira do Mercado Imobiliário (ABMI), Fernando Reis, a indústria e comércio continuarão mantendo o domínio na faixa de terra no entorno da ERS-122 e da RSC-453 e ampliarão ainda mais essa ocupação nos próximos anos. Os lotes residenciais ficariam restritos às partes internas. Reis diz que a instalação da Havan em Caxias tornará a região ainda mais atrativa.

— Há reservas técnicas dos donos de áreas para investimentos na habitação, já prevendo essa expansão. Poderíamos dizer que haveria uma limitação devido à bacia do Samuara, mas é possível encontrar formas de manejo — pondera o presidente da ABMI, que também integra o Conselho Municipal de Planejamento e Gestão Territorial (Conseplan).

César Renosto, dono de uma incorporadora que está negociando casas num novo loteamento com cerca de 580 lotes na região do Cidade Nova, nos fundos da Sede Recreativa da Marcopolo, percebe que aquela área de Caxias será o endereço de quem trabalha ou tem raízes na Zona Oeste. O loteamento termina no limite da zona urbana com a área rural.

— Quem já mora ou trabalha na região procura o lugar pela qualidade de vida, ali tem vista para uma grande área verde — diz Renosto.

Leia mais
Revisão do Plano Diretor propõe a redução da área urbana de Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros