"É irmão de sangue, mas a gente não está a favor dele", diz irmã de homem que confessou ter estuprado e matado Naiara - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Crime07/04/2018 | 09h34Atualizada em 08/04/2018 | 19h35

"É irmão de sangue, mas a gente não está a favor dele", diz irmã de homem que confessou ter estuprado e matado Naiara

Família dele vive com dificuldades e com medo de ter a casa incendiada

"É irmão de sangue, mas a gente não está a favor dele", diz irmã de homem que confessou ter estuprado e matado Naiara Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Antes de incorporar o sobrenome da mulher, de Souza, o homem que admitiu à Polícia Civil ter matado Naiara Soares Gomes, sete anos, em Caxias do Sul, era apenas Juliano Vieira Pimentel. Foi esse o nome que os pais escolheram para dar ao primogênito, quando ele nasceu, em 13 de junho de 1986, em Vacaria. Passado quase um mês do crime que chocou o Estado, o pai, com 70 anos, ainda não entende como o filho mais velho de cinco irmãos deixou de ser o garoto amoroso que nas poucas fotos existentes da família figura junto em seu colo ou agarrado em suas pernas.

 Leia mais:
Como a polícia chegou ao suspeito de ter raptado Naiara
Polícia deve indiciar autor confesso de morte de Naiara por estupro, homicídio e ocultação de cadáver
Casa onde morava autor confesso de estuprar e matar Naiara é demolida em Caxias do Sul
Vídeo: O que mostram as câmeras do caminho onde menina desapareceu em Caxias
Confira sete dificuldades da investigação sobre menina desaparecida em Caxias do Sul
Susepe apreende celular que filmou oração por Naiara em presídio de Caxias do Sul   

A irmã mais próxima a Souza tem um ano a menos e foi a que mais conviveu com ele na infância e em parte da adolescência. Estudaram nas mesmas escolas. A breve vida escolar –ele estudou até o 6° ano e ela até o 5° – teve passagens por quatro colégios da cidade.

Nos primeiros anos de vida, ele e a irmã moraram com os pais, o homem, trabalhador de uma empresa de manutenção de rodovias, depois, nos pomares, e a mãe, funcionária de uma empresa produtora de mudas de flores. Mas as instabilidades e separações do casal fizeram com que os filhos fugissem juntos de casa aos sete (ela) e oito anos (Souza), o que resultou na passagem deles por dois dias em abrigos da cidade e, depois, na concessão da guarda das crianças a um tio (irmão da mãe) que morava em outro bairro de Vacaria. Lá, ficaram por alguns anos, período que não deixou saudade nas crianças, segundo a irmã. Ela conta que eles eram vítimas de maus-tratos pela mulher do tio, quando esse saía para o serviço – ambos já são falecidos. No ir e vir entre um paradeiro e outro, Souza chegou a morar também com o avô materno na adolescência.

A irmã lembra que o primeiro trabalho informal do irmão foi vendendo picolés para uma pequena empresa do bairro. Tinha 12 anos. Mais tarde, trabalhou entregando compras para um mercado que já não existe mais. O último emprego em Vacaria foi em uma floricultura, onde ficou por anos. A empresa segue aberta em outro endereço, com novos donos e funcionários e sem nenhum registro da passagem de Souza por lá.

Antes de completar 18 anos, conheceu a mulher com a qual vivia até o dia da prisão, em 21 de março. À época, eles frequentavam a mesma igreja evangélica, onde se conheceram e onde Souza se batizou. Para se casar, ele precisou da autorização do pai. Depois do casamento, o contato com a família foi escasseando ainda mais. Os pais tiveram mais três filhos, que, atualmente, têm 16, 14 e 10 anos.

A irmã não soube precisar a data em que Souza mudou-se para Caxias, mas acredita isso ocorreu há cerca de oito anos. A mudança teria sido motivada por um desentendimento dos familiares da mulher com outros moradores.

Única mulher entre os irmãos, a irmã lembra que a última vez que viu Souza foi no final de fevereiro deste ano. Na ocasião, os familiares relataram que ele chorou ao contar que a mulher havia perdido um bebê – o casal não têm filhos – e que deu conselhos aos irmãos mais novos.

A prisão e a confissão de Souza sobre os crimes chocaram a família que, agora, teme sair de casa e dormir à noite. Eles receiam que a casa onde moram seja incendiada, mesmo que não tenham nenhum envolvimento com o que aconteceu.

– Nem os parentes, nem os vizinhos, nem os amigos dele acreditam no que ele fez. O pai está desesperado. Só fala nele, em por que que ele foi fazer isso? Ele vai ter que pagar o que fez. É irmão de sangue, mas a gente não está a favor dele. A tristeza que ele foi trazer para a família inteira –desabafa, emocionada, a irmã.

Assim como a família, os colegas de trabalho e os vizinhos do bairro Serrano não desconfiaram que Souza poderia estar cometendo algum crime. Pelo contrário, na empresa disseram que a conduta dele era irrepreensível e, na comunidade, uma pessoa tranquila e trabalhadora.

Família enfrenta dificuldades

No final da manhã da última terça-feira, quando a família recebeu a reportagem, repousava sobre a mesa da cozinha, a polenta, recém retirada do fogão a lenha, que serviria de refeição com mais algum alimento que a irmã prepararia para aquele almoço. Na pequena casa de madeira de uma única peça, com divisória para um quarto, e um anexo onde fica um segundo quarto, vivem o casal, os quatros filhos e o neto. Já passava do meio-dia, quando o trio mais novo chegou da escola.

A família vive com um salário mínimo recebido de aposentadoria pelo idoso e outro decorrente de benefício recebido pelo caçula que tem problema de saúde. Além disso, a irmã recebe R$ 124 do programa Bolsa Família. Num total de pouco mais de R$ 2 mil.

A mãe, aos 52 anos, e com problemas de saúde, já não lembra mais dos detalhes da vida da família, confunde datas e parece imersa em um universo protegido do sofrimento que a vida lhe apresenta. O pai, de idade ainda mais avançada, e com saúde debilitada ainda tenta entender o que aconteceu com o filho.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros