Veja como foi a despedida da menina Naiara em Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Luto22/03/2018 | 21h46Atualizada em 23/03/2018 | 06h53

Veja como foi a despedida da menina Naiara em Caxias

Cerimônia canalizou lágrimas, orações, dor e o sentimento de tristeza que calou boa parte dos moradores da cidade

Veja como foi a despedida da menina Naiara em Caxias Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

O pequeno caixão branco fechado, decorado com desenhos delicados e sobreposto por uma foto de Naiara Soares Gomes, sete anos, canalizou lágrimas, orações, dor e o sentimento de tristeza que calou boa parte dos moradores de Caxias do Sul nesta quinta-feira (22), na despedida à menina. 

Leia mais
"Quando a família tomou ciência, ela já havia falecido", diz delegado sobre o sumiço de Naiara
Secretaria de Educação oferece grupo de apoio à comunidade escolar de Naiara

Velada entre a manhã e a tarde na capela Santo Antônio, no bairro Esplanada, a garotinha — que foi estuprada e assassinada no último dia 9 de março, quando seguia para a escola — recebeu homenagens da família e de uma legião de desconhecidos, que depositaram flores, fizeram orações ou apenas acenaram com lenços brancos quando o cortejo do caminhão do Corpo de Bombeiros passou em direção ao Cemitério Público Municipal.

Pessoas que participaram da despedida gritaram "Naiara vive em nossos corações" e cantaram cantigas infantis inúmeras vezes durante a cerimônia de despedida. A tristeza pela morte brutal de Naiara repercutiu até no Presídio Regional, onde, durante o banho de sol, centenas de presidiários rezaram o Pai Nosso em homenagem à criança. 

"É muito difícil acreditar que ela está ali", lamenta mãe da menina

A mãe biológica de Naiara, Fabiana Reis Soares, 36 anos, veio de Vacaria para o enterro da menina. Morando em Caxias do Sul há quase três anos, a criança estava sob a guarda de uma tia após ter sido encaminhada a um abrigo para adoção junto com dois irmãos, de nove e 10 anos. Fabiana afirmou que seu desejo era enterrar a filha na cidade natal e se emocionou ao falar que o caixão fechado não permitia uma despedida: 

— Ela era o meu bebê, a minha caçula. É muito difícil acreditar que ela está ali, que é o corpinho dela ali e encarar a verdade que acabou assim, sem se despedir. 

Colegas de escola, vizinhos do loteamento Monte Carmelo, onde a garotinha morava, e outras crianças acompanhadas pelos pais se reuniram na capela Santo Antônio para se despedir. Descrita como meiga, falante e muito alegre, Naiara deixou uma marca entre conhecidos. A vizinha Micaela Machado, 13 anos, conta que na quinta-feira, dia 8, um dia antes do desaparecimento, a menina esteve em sua casa para lhe vender uma rifa:

— Ela foi lá em casa vender rifa e estava como sempre, tagarela, doce e querida. Ela era um amor de menina. 

A auxiliar de recursos humanos Mari Nunes, 32, não conhecia Naiara, mas garantiu que precisava se despedir da criança.

— Sou mãe de um menino de dois anos, e eu precisava vir aqui, me despedir, homenagear esse anjo. Não tem como não se envolver — disse. 

O metalúrgico Leonir Brito, 47, mora perto de onde Naiara foi sequestrada. Ele tem dois filhos e cobra do prefeitura que as crianças estudem mais perto de casa para que o caso de Naiara não se repita.

— Eu não consigo entender como colocaram um criança tão pequena estudar tão longe de casa. Isso não está certo. Ver o caixão fechado e saber que a família mal pode se despedir, acaba com qualquer pai — lamenta.

Missa reúne centenas

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 22/03/2018. Velório de Naiara Soares Gomes, na capela Mortuária Santo Antônio, no bairro Esplanada, em Caxias. Naiara, sete anos, desapareceu na manhã do dia 09/03 e seu corpo foi encontrado na tarde de quarta-feira (21/03). (Felipe Nyland/Agência RBS)
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Durante a missa de corpo presente na Igreja Santo Antônio, conduzida pelo bispo dom Alessandro Ruffinoni, houve momentos de reflexão para que tragédias como a morte de Naiara não voltem a acontecer. 

Por volta das 15h20min, o caixão onde estava o corpo de Naiara partiu para o Cemitério Público Municipal sobre um caminhão do Corpo de Bombeiros

— Invisível em vida, Naiara hoje teve tudo o que merecia — afirmou, chorando, a mãe de uma das colegas de aula da garotinha, que preferiu não se identificar. 

No cemitério, centenas de pessoas esperavam a chegada do caminhão para se despedir. A emoção tomou conta dos presentes quando uma das primas da criança colocou uma boneca sobre o caixão. As últimas palavras do bispo pediam oração e fé para fortalecer a família. 

A boneca e outros brinquedos da menina foram colocados no túmulo, assim como uma camiseta branca que havia sido usada nas buscas da semana passada com os dizeres "Volta Naiara". No adeus, a irmã de Naiara, de 10 anos, parou ao lado da sepultura, enxugou os olhos e colocou uma rosa sobre o caixão para se despedir. 

Família atordoada

O olhar vazio era a expressão comum nos rostos de quatro primas de Naiara e da tia que criou a menina nos últimos três anos, Maria de Lourdes Gomes, 45 anos.

— Tínhamos esperança até o último minuto. Agora, nem sei o que fazer ou dizer o que estou sentindo... — desabafou Maria de Lourdes.

O sentimento de culpa pelas circunstâncias que levaram Naiara a percorrer sozinha o trecho em que foi raptada e as críticas recebidas nas redes sociais também abateram a família. O principal alvo das ofensas é o primo de Naiara, o rapaz de 15 anos que era o responsável por levá-la à escola. 

— Até dentro da família teve esse julgamento. Mas é um erro que qualquer pessoa poderia ter cometido. Já mandei minha filha ir no mercado sozinha, por exemplo. Todo mundo já deixou o filho ir sozinho a algum lugar. Poderia ter sido o filho de qualquer pessoa — defendeu Ana Cláudia Gomes da Silva, 30, umas das primas de Naiara.

Jucemara Corrêa, uma das vizinhas de Maria de Lourdes, também se colocou em defesa da família:

— Sempre foi uma família muito boa. Ficavam na deles. Não batiam nas crianças, nunca incomodaram ninguém. E a Naiara sempre foi uma menina doce. Se desse atenção, ela já saia conversando. Está sendo terrível vivenciar isso.

Contudo, o sentimento de pesar pela perda de Naiara era maior do que as críticas.  

— Imaginávamos que podíamos encontrar ela morta, mas não dessa forma. É muito revoltante. Agora, pelo menos sabemos onde ela está e que um dia poderemos encontrá-la — comenta Adilson Ferraz, marido de uma das primas de Naiara.

Leia também
Com igreja lotada, velório de Naiara Soares Gomes é marcado por protestos
Donos de casa alugada por homem que confessou morte de Naiara fogem com medo de novos ataques

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros