Pais temem proximidade dos filhos com tráfico de drogas em residenciais populares de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Insegurança12/03/2018 | 09h30Atualizada em 12/03/2018 | 09h30

Pais temem proximidade dos filhos com tráfico de drogas em residenciais populares de Caxias do Sul

Desde janeiro, o Conselho Tutelar Norte, que já atendia o Rota Nova, passou a assistir também os moradores do Campos da Serra

Pais temem proximidade dos filhos com tráfico de drogas em residenciais populares de Caxias do Sul Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Não é de hoje que moradores dos dois principais residenciais populares de Caxias do Sul – o Campos da Serra e o Rota Nova – se queixam da carência ou da inexistência de serviços públicos básicos no entorno dos conjuntos habitacionais. A maior preocupação da moradora Rosana Almeida, no entanto, é o convívio diário que os filhos têm com usuários e traficantes no Campos da Serra.

Leia mais
Residenciais criados para atender a demanda de habitação não resolveram problema social em Caxias
Convívio entre moradores é desafio nos residenciais populares de Caxias do Sul

– Vejo crianças com 10 anos usando drogas. Crianças de noite na rua, porque os pais não têm mais controle sobre os filhos. Isso me dói muito, porque tenho três, e fazemos de tudo para manter os nossos dentro de casa, explicando o certo e o errado. Só que eles vão crescendo vendo aquilo, por mais que seja errado, para eles está sendo normal – relata. 

Todo esse cenário de insegurança faz com que Rosana pense em deixar o local assim que conseguir quitar o apartamento: 

– A crítica é grande, mas ninguém sabe o que vivemos lá realmente. Tem muitas pessoas que são trabalhadoras, mas a gente se obrigada a morar com “outros” porque não temos escolha.

Desde janeiro, o Conselho Tutelar Norte, que já atendia o Rota Nova, passou a assistir também os moradores do Campos da Serra, que estavam na região do Conselho Tutelar  Sul. A transferência dos procedimentos tem sido gradativa. Até o momento, foram 44. Dos casos atendidos, conforme o Conselho Tutelar Norte, foi possível identificar a dificuldade de acesso a serviços de saúde (os atendimentos especializados estão aglomerados na área central) e à assistência social. Do total de atendimentos, dois envolveram suspeita de envolvimento dos pais com substâncias psicoativas e de tráfico. O conselho também aponta a ausência de creches e de escolas, motivo pelo qual a escolarização se dá fora do território, com garantia, por parte do município do transporte para alunos em idade obrigatória.

O conselho estima que 43% dos residentes no Campos da Serra são crianças e adolescentes com idade até 17 anos. O loteamento é referenciado ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Centro e ao Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas) Sul. 

Os moradores do Rota Nova também convivem com a insegurança. As câmeras não inibem as ações de criminosos.

– Colocaram gente de má índole a morar com gente de bem. Tem moradores entrando nos apartamentos dos vizinhos, roubando e ameaçando as pessoas. Se a gente não tiver apoio da Polícia Militar ou Civil para nos ajudar, vamos recorrer a quem? A gente só quer conviver em um ambiente bom,  tranquilo – diz Ariane da Silva.

Conselho acompanha famílias

Do início do ano para cá, período em que o Conselho Tutelar Norte passou a atender o Campos da Serra, foi possível confirmar a dificuldade de acesso aos serviços públicos por parte da comunidade. Outra problemática é a falta de oferta de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) na região. A região conta apenas com um SCFV, o SOS Vida, que atende a cerca de 45 crianças.

Com relação ao Rota Nova, o Conselho Tutelar percebeu uma problemática semelhante. Apesar de diversos equipamentos públicos fazerem parte do Projeto Rota Nova, até o momento as 420 famílias acessam serviços de saúde e de assistência social no bairro Reolon. Existe uma estimativa de que a pé o usuário caminhe cerca de uma hora para ser atendido nesses locais. Também não existem creches, SCFV e escolas no local. A escolarização também se dá fora da área, com transporte escolar ofertado pelo município para alunos em idade obrigatória.

Os pedidos que chegam à Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Segurança da Câmara de Vereadores são os mesmos referidos pelas moradoras ouvidas pela reportagem e pelo Conselho Tutelar. 

As demandas que chegam são encaminhadas aos órgãos competentes. Além disso, é papel dos vereadores, integrantes ou não de comissões, cobrar do Executivo melhorias solicitadas pelos moradores.

Leia também:
Menina que desapareceu em Caxias estava sozinha no trajeto à escola
Candidatos dizem que prova do concurso da prefeitura de Caxias do Sul estava mais difícil
Vereadores têm estado distantes dos depoimentos no processo de impeachment do prefeito Daniel Guerra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros