TJ autoriza retirada de pombos de praças de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Animais 01/02/2018 | 18h35Atualizada em 01/02/2018 | 19h46

TJ autoriza retirada de pombos de praças de Caxias do Sul

Desde novembro, o plano de remoção das aves estava suspenso, também por decisão judicial

TJ autoriza retirada de pombos de praças de Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

O Tribunal de Justiça (TJ) decidiu que a prefeitura de Caxias do Sul pode retirar pombos das praças públicas. A decisão se refere a recurso interposto pela Associação Amigos dos Animais (Soama), que tentava impedir a remoção das aves. Desde novembro, o plano do município estava suspenso, também por decisão judicial.

Leia mais:
Retirada das pombas das praças de Caxias está suspensa

Os desembargadores da 4ª Câmara Cível do TJ votaram favoravelmente ao município de forma unânime, conforme a nota divulgada pela prefeitura. Eles consideraram que a remoção tem interesse público e não representa risco aos animais ou ao meio ambiente. A prefeitura quer transferir as aves para um pombal, na localidade de Apanhador. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente (Semma), uma equipe cuidará dos animais. A retirada deve ser gradativa.

Novamente, a titular da Semma, Patrícia Rasia, afirmou que a concentração das pombas pode trazer prejuízos à saúde pública. Na nota, declarou que "uma pomba gera por ano, em média, 12 filhotes. Como se estima que existam cerca de 5 mil pombos no município, em apenas três anos, existirão 180 mil novas aves dessa espécie em Caxias do Sul. Dessa forma, é imprescindível que o controle populacional das aves aconteça".

Soama contesta necessidade e maneira de remoção dos animais

Apesar da decisão do TJ, a Soama segue contestando a tese da administração municipal. De acordo com a advogada da entidade, Grazielle Pellizzari Meggiolaro, a ação civil pública contra a Semma segue tramitando na comarca de Caxias. 

— Foi o pedido urgente para impedir a remoção que foi julgado e o agravo não foi provido. Mas ação está tendo prosseguimento normal e agora começou o período para apresentarmos as provas — explica.

A Soama defende que a forma de remoção dos pombos proposta pela prefeitura pode ser prejudicial às aves e o destino pretendido para os animais não é o correto.

— Eles (os pombos) nasceram em zona urbana, então levar eles para uma zona rural não seria equilibrado ecologicamente. Queremos mostrar para o poder público que é possível viver em harmonia com os animais — defende a advogada.

Para a entidade, não há excesso de pombos nas praças de Caxias. No entanto, caso a prefeitura consiga comprovar que o problema exista, Grazielle diz que a Soama não se oporia a retirada dos animais, desde que realizada por outros meios.

— Achamos que essa captura vai causar danos. E a prefeitura não apresenta projeto de como vai ser, nem para onde, só dizem que é a região do Apanhador, mas isso é muito vago — reclama. 

Como maneira alternativa de lidar com os pombos, seria possível controlar a população dos animais por meio da alimentação dada a eles, exemplifica a advogada.

Leia também:
Polícia Civil prende empresário suspeito de matar usuários de drogas em Caxias do Sul
Vaias ao prefeito de Caxias mostram que embates com governo estão longe de acabar

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros