Ministro aponta atendimento a convênios como solução financeira para hospitais - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde09/02/2018 | 08h47Atualizada em 09/02/2018 | 08h48

Ministro aponta atendimento a convênios como solução financeira para hospitais

Ricardo Barros sugeriu medida ao Hospital Geral, 100% SUS, que teve déficit de R$ 6 milhões em 2017

Ministro aponta atendimento a convênios como solução financeira para hospitais Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Com um déficit de R$ 6 milhões em 2017 e projetando fechar este ano com R$ 9 milhões, a sugestão que o Hospital Geral de Caxias do Sul recebeu do ministro da Saúde, Ricardo Barros, sobre a recuperação financeira da instituição foi que passe a receber também pacientes de convênios ou particulares.

– Eu recomendo. É este o modelo mais eficiente do Brasil, o modelo das filantrópicas. Porque elas conseguem, com esse misto de 40% privados e convênios e mínimo de 60% SUS, suprir, com o superávit da operação em convênios e particulares, o déficit do SUS. Então, a instituição fica com as contas equilibradas, com toda a sua estrutura eficiente disponível, o que qualifica o serviço – defendeu o ministro.

 Leia mais:
Hospitais de Caxias pedirão recursos ao ministro da Saúde para pagar médicos residentes
Verba para UPA Zona Norte só depois de visita técnica, diz ministro da Saúde em Caxias

Ainda conforme Barros, a medida não reduziria número de atendimentos pelo SUS do hospital. Ao contrário, "com as contas em dia, ele consegue manter 100% da sua capacidade de atendimento em operação. A maioria dos hospitais começa a acumular déficit e logo se tem um hospital com 50% dos leitos abertos para o SUS, quando poderia ter 60% abertos para o SUS e mais 30% a 40% abertos para o particular."

– Isso é uma conta matemática que se comprova em todo o país. As entidades filantrópicas que estão bem financeiramente são as que fazem o complemento de sua renda com o serviço particular e de convênio, que é autorizado pela constituição – reforçou Barros.

A administração do HG disse que pretende discutir com os demais entes da federação, município e Estado a possibilidade.

– O Hospital Geral está maduro, completou 20 anos de existência, com grave problema financeiro, que é o custeio da sua atividade. O que o ministro está colocando é algo que terá de ser discutido com o município de Caxias do Sul e com o Estado que é proprietário do prédio. Acredito que é a solução para o hospital para os próximos anos – disse o administrador do HG, Sandro Junqueira.

A ideia é que, depois de pronta, a ala nova do hospital, que prevê 136 novos leitos de UTI e gerais, possa destinar parte do atendimento para pacientes da rede privada.

  Leia também:
"Os criminosos subestimaram o poder de fogo da Serra", afirma capitão da BM em Bento Gonçalves
Estradas da Serra terão seis dias de fiscalização intensa no feriadão de Carnaval

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros