Falta de pediatras é mais visível na rede pública de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde05/02/2018 | 09h30Atualizada em 05/02/2018 | 09h30

Falta de pediatras é mais visível na rede pública de Caxias do Sul

Baixa remuneração geraria desinteresse de médicos em atuar nas unidades básicas

Falta de pediatras é mais visível na rede pública de Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Se está difícil para as mães que têm plano de saúde e procuram uma consulta com um pediatra, a situação é ainda pior para aquelas que dependem do SUS. Aos menos nove unidades básicas de saúde (UBS) estão sem especialistas e a prefeitura de Caxias afirma que não tem solução imediata para resolver o problema. Além de criar um novo concurso para a contratação de pediatras — ainda sem data para lançamento — outra proposta do Executivo para a reposição imediata de médicos nos postinhos seria o programa UBS+. Mas o projeto, que tem o objetivo de realocar os 265 profissionais do Pronto Atendimento 24 horas (PA 24h) para reforçar as equipes das UBSs, só pode ocorrer com a gestão compartilhada do Postão. No entanto, a proposta não foi aprovada pelo Conselho Municipal de Saúde no ano passado e a ideia, portanto, não saiu do papel.

Leia mais:
Oito postos de saúde de Caxias estão sem pediatras 

Enquanto o Executivo não busca outras alternativas, mães como Jane da Silva Viegas, 34 anos, precisam buscar atendimento em bairros vizinhos. Ela mora no bairro Século XX, onde não há pediatra desde novembro do ano passado. Para que os filhos Wesley, 11 anos, Lavínia, um ano, e o neto Lorenzo, de um mês, recebam cuidados, ela vai até a UBS do Diamantino. Para isso, precisa de tempo e dinheiro, já que depende do transporte coletivo para se deslocar. O trajeto leva ao menos 30min.

— Não dá para acreditar que existe um postinho aqui no bairro, mas que não oferece atendimento. É difícil ter que sair com criança pequena de ônibus e ainda esperar bastante para conseguir consulta — lamenta Jane.

O presidente do Século XX, Jair Vargas da Silva, diz que já cobrou uma solução da prefeitura, mas não recebeu retorno. Afirma que recebe muitas reclamações de moradores em relação ao serviço de saúde do bairro:

— Quem quiser ser atendido precisa madrugar na frente do postinho para conseguir uma senha. O atendimento com clínico é difícil, mas o atendimento de crianças deveria ser prioridade. Não dá para um bairro não ter pediatra. É um absurdo.

Por e-mail, a secretaria da saúde afirmou que "a população das unidades básicas não está desassistida, já que, nesta época do ano, a demanda é menor devido ao clima quente e às férias escolares". Para casos de urgência e emergência, a orientação do poder público é buscar o Postão e a UPA Zona Norte. Um pediatra, também segundo a assessoria, pode começar a trabalhar na UBS do Século XX neste mês. Mas isso só vai ocorrer se outro profissional, que está de atestado, voltar ao trabalho.

 Leia também:
Adolescentes que morreram afogados em Caxias eram do bairro Primeiro de Maio
Hospital Geral vai pleitear aumento de verbas de custeio em visita do ministro da Saúde a Caxias
18 árvores foram mutiladas no bairro Cristo Redentor, em Caxias 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros