Frei Jaime: o tempo nos ensina o valor da vida - Geral - Pioneiro
 

Opinião30/01/2018 | 09h04Atualizada em 30/01/2018 | 09h04

Frei Jaime: o tempo nos ensina o valor da vida

O segredo está no modo como cada um abraça a vida, aceitando as problemáticas, secando algumas lágrimas, abrindo largos sorrisos

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

A cada amanhecer, uma convocação torna-se audível: é necessário recomeçar. A claridade que desponta e não se repete, é um oportunidade única de encaminhar os passos e harmonizar a interioridade, para abraçar o que é próprio de cada dia. A rotina é uma permissão, advinda da falta de entusiasmo e da ausência de motivação. É possível dar o devido ritmo, quando há uma consciência clara, quanto ao valor da vida.

O tempo é uma mediação, o cenário onde os capítulos da história pessoal acontecem. Os dias não se repetem, as oportunidades seguem a diante, os passos não exigem contagem. Pensar a existência, desenhando possibilidades, é um jeito inteligente de fugir da mesmice. Não são poucos os que acordam como se estivessem com um pesado fardo às costas. A quantidade de problemas não interfere e nem impede que a esperança seja uma incansável companheira. Existem pessoas que não possuem muitos desafios, mesmo assim vivem de forma pesada e pouco animadora.

O segredo está no modo como cada um abraça a vida, aceitando as problemáticas, secando algumas lágrimas, abrindo largos sorrisos. O tempo pode ensinar o valor da vida. Somar anos é algo natural, independe do querer. Valorizar cada instante é uma escolha, uma opção diária. Poucas pessoas conseguem manter um semblante iluminado, apesar dos percalços do cotidiano. Perda de tempo achar que, um dia, a vida não terá mais situações a serem resolvidas. Enquanto os passos estiverem pisando o solo firme, o coração pulsará, com mais ou menos emoção, dependendo do modo como a vida é pensada, sonhada e encaminhada.

A vida e o tempo são aliados, trocam 'figurinhas', andam de mãos dadas. Independente da quantidade de tempo, viver sempre será um espetáculo com um final feliz. Basta não se distrair.

Leia também
Marcos Kirst: Se vampiro, vampiro total
André Costantin: cacos de vidro

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros