Memória: 135 anos de imigração na Serra - Geral - Pioneiro

Comunidade05/12/2017 | 09h47Atualizada em 05/12/2017 | 09h47

Memória: 135 anos de imigração na Serra

Devido à grande devoção pela santa, a comunidade encomendou uma estátua em homenagem a Santa Eurósia, no atelier Zambelli.

Memória: 135 anos de imigração na Serra Acervo de Floriano Molon/Divulgação
Foto: Acervo de Floriano Molon / Divulgação

Depois de terem assinado contrato com a paróquia para rezarem uma missa “in eterno”, um grupo de 155 pessoas da região de Castello de Arzignano, em Vicenza, Itália, apanharam o navio Berlin, no porto de Gênova, rumo ao Brasil em 15 de dezembro de 1882. Da metade do mês de janeiro de 1883 em diante, os imigrantes já estavam tomando conta das suas colônias, e, por coincidência, praticamente todas as famílias se instalaram na região da 10ª légua da Colônia Caxias, nos travessões Marcolino Moura e Pinhal, região hoje conhecida como Otávio Rocha, em Flores da Cunha.

Foto do altar de Santa Eurósia, preservada por mais de 135 anos
Santa Eurásia foi a protetora dos imigrantes na viagem ao paísFoto: Acervo de Floriano Molon / Divulgação

Dos 1.315 passageiros, 155 formavam as famílias Dani, Tadiello, Lazzari, Molon, Magnabosco, Schnato, Zanini, Pasquali, Verza, Galiotto, Piana, Fracasso, Zorzin, Ferrari, Sbabo e Fochesatto. Em sua grande maioria, as famílias se instalaram próximas, formando uma ilha de vicentinos, agregada a outros grupos de imigrantes antes chegados.  Além de sementes, mudas de árvores, e objetos de estimação, as famílias trouxeram uma foto do altar de Santa Eurósia, imagem espanhola muito venerada na Itália. Os imigrantes pediam, em especial,  proteção contra os desastres climáticos que poderiam prejudicar a terra e as plantações. 

Devido à grande devoção pela santa, a comunidade encomendou uma estátua em homenagem a Santa Eurósia, no atelier Zambelli.

Em outras cidades

135 anos de imigração: relação dos imigrantes, Molon o maior grupo
Documento de assinaturas para a missa “in eterno”Foto: Acervo de Floriano Molon / Divulgação

Mantendo a tradição de suas origens, as famílias vindas de Arzignano se dedicaram à agricultura, em especial à produção de uvas e à fabricação de vinho, tendo sido a região de Otávio Rocha muito famosa pelo vinho Barbera. Além disso, muitos dos grupos de imigrantes que vieram para o Brasil naquela época, há 135 anos, acabaram por colonizar também as regiões de Antônio Prado, São Marcos, Vacaria e Paraí, levando consigo o amor ao trabalho, a fé e a integração ativa das famílias à comunidade.   

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros