Atrasa início de reconstrução de asilo destruído pelo fogo em Vacaria - Geral - Pioneiro

Serra gaúcha31/10/2017 | 14h49Atualizada em 31/10/2017 | 14h49

Atrasa início de reconstrução de asilo destruído pelo fogo em Vacaria

Incêndio no mês de junho matou duas moradoras do local

Atrasa início de reconstrução de asilo destruído pelo fogo em Vacaria Ricardo Dorigatti /Arquivo pessoal
Demolição e remoção da estrutura que restou está prevista para começar na semana que vem Foto: Ricardo Dorigatti / Arquivo pessoal

A reconstrução do Asilo Santa Isabel, em Vacaria, ficou para o ano que vem. A previsão era iniciar obras no mês de outubro, mas os trâmites do projeto junto à Caixa atrasaram. O prédio foi destruído pelo fogo no dia 1º de junho e duas mulheres morreram no incidente.

Leia mais:
Moradores de asilo destruído pelo fogo em Vacaria são transferidos para novo abrigo
Governo do Estado repassa R$ 500 mil para reconstrução de asilo que pegou fogo em Vacaria
Moradores de asilo destruído pelo fogo em Vacaria irão para albergue desativado 

Conforme o promotor Luis Augusto Gonçalves Costa, o descumprimento do prazo inicial previsto está relacionado à verba federal destinada para a reconstrução. Ele explica que existe uma série de exigências nos projetos que passam pela Caixa Econômica Federal. Isso fez com que as equipes de arquitetos e engenheiros tenham de fazer adequações sob orientação do banco, conforme o promotor. A expectativa dele é que a tramitação possa ser concluída em dezembro. 

Depois, uma licitação ainda terá de ser lançada pela prefeitura para escolher a empresa que fará a obra, que tem previsão de durar 10 meses. Além dos R$ 900 mil do governo federal, a reconstrução tem verbas de R$ 500 mil do Banrisul e R$ 400 mil da Câmara de Vereadores. Outros R$ 300 mil foram doados pela comunidade e serão utilizados para equipar e mobiliar o novo prédio com capacidade para abrigar 50 idosos. 

Enquanto isso, cerca de 40 idosos estão instalados em duas casas no centro da cidade, que passaram por pequenas reformas. Elas já comportaram abrigos, mas estavam desativadas até julho, quando os idosos começaram a ocupar os espaços. Na época do incêndio, 49 pessoas moravam no asilo. 

A demolição e remoção da estrutura que restou está prevista para começar na semana que vem. 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros