Memória: O centenário de Ermelinda Lain Dannenhaeur  - Geral - Pioneiro

100 anos!07/09/2017 | 15h52Atualizada em 07/09/2017 | 15h52

Memória: O centenário de Ermelinda Lain Dannenhaeur 

No último dia 27 de agosto, Ermelinda teve festa organizada pela família, onde pôde comemorar o aniversário junto da família

No último dia 20 de agosto, Ermelinda Lain Dannenhauer comemorou, ao lado de uma grande família, 100 anos de vida. Ainda jovens, Virgílio Lain e Emília Rossato Lain, pais de Ermelinda, vieram da região do Vêneto, na Itália, juntamente com a primeira leva de imigrantes italianos, e se radicaram em Caxias, na localidade de Conceição da Linha Feijó. Quando adulto, Virgílio adquiriu terras e cultivou, em casa, uvas e hortaliças, além de possuir algumas pipas de vinho. 

Emerlinda em sua festa de 100 anos Foto: Arquivo de Giovana Crosa / Acervo pessoal
Retrato de Emerlinda Lain, aos 23 anos de idade Foto: Acervo de Giovana Crosa / Arquivo pessoal

Em sua juventude, Ermelinda começou a frequentar os bailes na Forqueta, onde, mais tarde, conheceu Eugênio Dannenhauer, seu futuro marido. Filho de imigrantes, Eugênio casou-se com Ermelinda em 1948, na antiga igreja do bairro São Pelegrino, em Caxias. O casal se mudou da casa dos pais de Ermelinda, firmando residência no bairro Cinquentenário. Além de músico, Eugênio construiu uma sapataria na Rua Borges de Medeiros, onde trabalhou por muitos anos, tornando-se muito conhecido em Caxias pelo apelido de Alemão. Durante o tempo que viveram juntos, o casal teve cinco filhos, sete netos e dois bisnetos. Os votos de permanecerem juntos perduraram durante longos e felizes 54 anos, até a morte de Eugênio, em 2001.

Emerlinda e Eugênio antes do baile de debutantes da neta Fernanda Foto: Acervo de Giovana Crosa / Arquivo pessoal

Após a morte do marido, Ermelinda continuou morando no bairro Cinquentenário, mas, nos últimos 10 anos, devido às suas limitações, mora numa clínica de Repouso, em Nova Petrópolis. Em seu centenário, Ermelinda ainda tem saúde, apesar de enfrentar problemas de memória e ter as pernas um pouco debilitadas, devido à idade. Religiosa, a família conta que ela nunca deixa de fazer suas orações durante a noite. Em 2014, uma de suas netas, Giovana Dannenhauer Crosa, foi indicada para concorrer ao título de Rainha da Festa da Uva. Ao receber a visita da neta, e ser informada que iria participar do concurso, mesmo com as suas limitações, Ermelinda demonstrou muita alegria e disse à neta, em um tom emocionado: Non me lo dire! (Não me diga!).

No dia em que Giovana conquistou o título de Rainha, a família foi informada pelos funcionários da clínica que, quando Ermelinda acordou, naquele dia, passou o dia inteiro cantando, feliz, mesmo sem saber o resultado. Giovana, junto com as princesas da Festa, visitaram então a clínica, trajadas com os vestidos oficiais, e cantaram a música tema da Festa da Uva para Ermelinda, emocionando não somente a ela, mas a todos os presentes na ocasião. 

Ao lado da família

Emerlinda ao lado da filha Junez e das netas Fernanda e Giovana Foto: Arquivo de Giovana Crosa / Acervo pessoal

No último dia 27 de agosto, Ermelinda teve uma linda festa na clínica, organizada pela família, onde pôde comemorar junto com amigos, funcionários e diretoria do local. 

A festa foi oferecida por sua filha Junez, pelas netas Fernanda e Giovana e pela bisneta Manuela.

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros