Memória: Alma do médico Bartholomeu Tacchini - Geral - Pioneiro

Empreendedorismo12/09/2017 | 09h08Atualizada em 12/09/2017 | 09h08

Memória: Alma do médico Bartholomeu Tacchini

Sua dedicação profissional e propósito humanista conquistou a confiança e admiração da comunidade

Memória: Alma do médico Bartholomeu Tacchini Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A colonização italiana no Rio Grande do Sul foi tema de estudos aprofundados pelo advogado Luiz Compagnoni, então fundador do jornal Pioneiro e idealizador do Monumento Nacional ao Imigrante. Num artigo publicado em 1950, Compagnoni esclareceu com argumentos de fatos o êxito dos pioneiros estabelecidos na Serra. No primeiro momento, a localidade oferecida pelo Governo Imperial não tinha absolutamente nada. A agricultura foi a alternativa para produção destinada ao próprio consumo. Não havia estradas e os meios de comunicação inexistiam.

 Leia mais
1º Encontro da Família Vebber
A Brasdiesel na história caxiense
O champagne de Manoel Peterlongo
Campeonato de handebol de 1974  

No entanto, a mentalidade europeia forneceu ânimo para o empreendedorismo. Entre os notáveis italianos, destacaram-se Aristides Germani e João Corsetti, que investiram na moagem de trigo. Alexandre De Antoni implantou uma  mecânica e fundição de peças em ferro. Hércules Galló e Matteo Gianella organizaram o setor têxtil. Celeste Gobbato, formado em Agronomia, foi contratado pelo governo gaúcho para lecionar em escola agrícola de Viamão. Manoel Peterlongo trouxe a fórmula de elaborar o champagne. Na medicina, destacou-se o médico italiano Bartholomeu Tacchini. Estabelecido em Bento Gonçalves, em 1912, Tacchini comprometeu-se com a melhoria da saúde de uma cidade em formação, mas com um potencial forte na produção vinícola. 

Na imagem, percebe-se o majestoso hospital inaugurado em 1927. O prédio exibe traços arquitetônicos exuberantes e luminárias externas que lembram a riqueza estética da antiga Europa. 

Referências  biográficas de Tacchini

 Bento Gonçlaves, RS, BRasil (08/09/2017). O Médico italiano Bartholomeu Tacchini implantou um moderno hospital em Bento Gonçalves na década de 1920. Hoje, o Hospital Tacchini é uma referência de qualidade de atendimento no Brasil. (Roni Rigon?/Pioneiro).
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O médico Bartholomeu Tacchini nasceu na Sicília, sul da Itália, em 19 de novembro de 1878. Formou-se em Modena em 1903. Emigrou para o Brasil em 1911, estabelecendo-se primeiramente em Pelotas. No ano seguinte, mudou-se em definitivo para Bento Gonçalves. Sua dedicação profissional e propósito humanista  conquistou a confiança e admiração da comunidade. Na sua atividade, atuou com o médico e sobrinho Walter Galassi, Ludovico Barbieri, Carlo Cini e o enfermeiro Augusto Casagrande.  

Nos registros históricos, o médico realizava atendimento a domicílio em seu carro particular. O esforço deste cidadão engrandeceu a medicina no Brasil. Tacchini morreu em São Paulo, em 18 de novembro de 1936. Pediu para ser sepultado em Bento Gonçalves. Numa visita do irmão, que vivia na Itália, o hospital recebeu uma doação expressiva de recursos financeiros, gesto de fraternidade. (Foto: Reprodução)

Exemplo eternizado 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL  (25/02/2015) Na foto, livro da Colonização Italiana em 1925.  Aniversário da Imigração Italiana, celebração ocorrida em Nova Milano, Farroupilha. (Roni Rigon/Pioneiro.
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O documentário Cinquentenário Della Colonizzazione Italiana Nel Rio Grande Del Sud (1925), ao fazer um balanço das contribuições dos italianos  no desenvolvimento do país, reconheceu o trabalho de Tacchini em aprimorar o atendimento da saúde. O registro do lançamento da pedra fundamental para a construção do hospital evidencia-se pela magnitude do projeto e enriquece a obra escrita em idioma italiano. O prédio foi inaugurado em março de 1927, colocando Bento Gonçalves como referência hospitalar de qualidade. Dr. Tacchini recebeu apoio dos contemporâneos Victorio More, Attilio Michelon, Luis Todeschini. Giovani Dal Molin e Telêmaco Ballista. Na época, religiosas  auxiliavam no atendimento aos pacientes e na organização do hospital. 

 Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória 


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros