Acolhimento familiar em Caxias do Sul deve ser lançado em outubro   - Geral - Pioneiro

Inclusão social08/09/2017 | 10h52Atualizada em 08/09/2017 | 10h52

Acolhimento familiar em Caxias do Sul deve ser lançado em outubro  

O acolhimento familiar já chegou a ser desenvolvido em Caxias, mas durou pouco mais de três anos

Acolhimento familiar em Caxias do Sul deve ser lançado em outubro   Jonas Ramos/Agencia RBS
Foto: Jonas Ramos / Agencia RBS

Uma reunião na próxima segunda entre prefeitura de Caxias, Judiciário e Ministério Público será um passo importante para Caxias, após quase 10 anos, voltar a contar com o acolhimento familiar. O encontro terá como um dos objetivos avaliar aspectos positivos e negativos da modalidade, que objetiva tirar as crianças e adolescentes de abrigos para serem cuidados por pais que possam proporcionar uma convivência afetiva.

Leia mais:
Hemocentro de Caxias do Sul está com estoque abaixo do normal

A opção vinha sendo analisada pela atual gestão municipal, mas ainda gera dúvidas sobre seus benefícios. Depois de análises e estudos, o acolhimento familiar deve ser implantado na cidade e o lançamento do projeto deverá ser em outubro, próximo do Dia das Crianças. A intenção também é, na mesma ocasião, falar sobre o apadrinhamento afetivo, segundo a presidente da Fundação de Assistência Social (Fas), Rosana Menegotto.

— Concluímos estudos, avaliamos mais alguns passos, mas muito ainda precisa ser discutido. Um grupo foi criado para discutir. Caxias tem particularidades, é diferente de outras cidades, e o acolhimento aqui precisa ter diferenciais. Estamos construindo o projeto, que deve ser bem sólido para trazer bons resultados —argumenta.

O acolhimento familiar já chegou a ser desenvolvido em Caxias, mas durou pouco mais de três anos, se encerrando em 2009. Atualmente, a cidade tem quase 150 acolhidos em abrigos e casas lares. Saber por quais motivos foi interrompido e por que nunca mais saiu do papel são questionamentos que ainda precisam ser respondidos, segundo a promotora do Ministério Público (MP), Simone Martini. Ela ainda acrescenta que todo o sistema de acolhimento precisa ser rediscutido.

— O acolhimento familiar ainda não é solidificado no Rio Grande do Sul, então é claro que precisa ser analisado. Precisamos também falar sobre a reformulação de fluxos nos sistemas de proteção à criança — analisa.

Ao contrário da sistemática aplicada nos institucionais, quando há muitas vagas, o acolhimento familiar é individualizado, trazendo como principal benefício a promoção da autonomia daquele indivíduo. Para os cofres públicos, a modalidade também reflete em uma economia significativa. Em Caxias, por exemplo, caso fosse implantada e todos os 149 abrigados atualmente fossem cuidados por famílias acolhedoras, seria possível economizar mais de R$ 800 mil mensalmente.

Hoje, a prefeitura desembolsa mais de R$ 1 milhão todos os meses para manter os três abrigos e 12 casas lares. Mas o projeto preconizado pelo ECA, visto como prioritário em relação ao acolhimento institucional, também traz poréns e abre questões que ainda demandam discussão. Uma delas diz respeito à construção de vínculos e relações afetivas que surgem em função da permanência da criança ou adolescente com a família acolhedora _ esta que, ao se cadastrar no programa, deve se julgar ciente de que não vai poder adotar aquele menor que ficará sob seus cuidados por um tempo.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros