Acampamento forma minicidade nos Pavilhões da Festa da Uva, em Caxias - Geral - Pioneiro

Semana Farroupilha14/09/2017 | 09h57Atualizada em 14/09/2017 | 10h47

Acampamento forma minicidade nos Pavilhões da Festa da Uva, em Caxias

Quase 10 mil pessoas devem fixar residência temporária durante os festejos tradicionalistas

Acampamento forma minicidade nos Pavilhões da Festa da Uva, em Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A passagem pelos Pavilhões da Festa da Uva durante esta semana é uma experiência sensorial. Não há como não se deter para observar o colorido dos trajes típicos das prendas ou dos lenços dos peões, não ouvir a melodia das gaitas ecoando entre as árvores, não sentir — e não salivar — com o cheiro da carne assando na brasa e não parar para apreciar a vista da miríade de tendas, barracas e lonas que pulsam sob o vento de setembro e constituem o Acampamento Farroupilha em Caxias do Sul. 

É ao ar livre, bem próximo da cancha de laço, que se reúnem os piquetes e CTGs que vão participar das competições campeiras, além das famílias que aproveitam o momento para curtir o clima da tradição. Ali, em um período que não chega a duas semanas, entre 3 mil e 5 mil pessoas devem fixar suas residências temporárias. 

Leia mais:
Acampamento Farroupilha de Caxias tem 30% dos espaços ainda disponíveis

Mais atrás, em um dos pavilhões, concentram-se as tendas dos CTGs que integram a programação artística do evento. A expectativa da organização é que outras 4 mil ou 5 mil pessoas ocupem este espaço. 

A estrutura é de uma minicidade. De fato, somando o público total que acampará durante a Semana Farroupilha, os Pavilhões terão uma população maior do que os municípios de Monte Belo do Sul, Nova Pádua e Santa Tereza juntos, por exemplo.

A aglomeração de toda essa gente tem seus desafios. Se o acampamento campeiro fosse uma cidade, o prefeito seria Enor Velho. É ele o encarregado de dividir os espaços entre os interessados e manter a ordem no local.

— Como eu sou mais antigo, o pessoal me respeita — pondera o coordenador.

Na prática, porém, cada campista zela pelo seu espaço e pequenas vizinhanças emergem da convivência anual entre os participantes. 

Além do acampamento, atração que dá vida à estrutura metálica dos Pavilhões, as danças típicas, os shows e as competições de laço e a cavalo roubarão a cena no decorrer da Semana Farroupilha, que é aberta oficialmente hoje e prossegue até a próxima quarta-feira, dia 20. 

"Eu até poderia me acostumar com essa vida"

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 13/09/2017 - Tradicionalismo - Semana Farroupilha. Apreciadores da tradição já se preparam para o acampamento Farroupilha, nos pavilhoes da Festa da Uva. NA FOTO: Vinícius dos Santos Soares (de branco), 14 anos, vai participar das provas de laço e Alexandre Dandolini (de azul), 30 anos, metalúrgico. Natural de Santa Catarina, adotou as tradições gaúchas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Vinícius Soares, 14, e Alexandre Dandolini, 30, descansam na barraca após a montagem do acampamentoFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Os acampamentos ainda eram montados nos Pavilhões ontem à tarde. Ao circular entre as vielas que dividem cada terreno, a reportagem chegou até a tenda do Piquete dos Taura. Com um olhar sério, Rui Martins Machado, 55 anos, "dono" do espaço, disparou:

— Para. Senta e pega um prato.

Tio Rui, como é conhecido entre os amigos, havia preparado um arroz carreteiro para o almoço.

— Eu mesmo fiz o charque — gabou-se.

Seis vizinhos de acampamento, quase todos trabalhadores da indústria, dividiam a refeição. 

— Eu até poderia me acostumar com essa vida — brinca o metalúrgico Alexandre Dandolini, 30 anos, recostado numa cadeira forrada com pelego. 

Outro vizinho é Lucas Bareta, 23 anos. Ele acampa na outra "esquina" da tenda de Rui, e ocupa o mesmo espaço há sete anos. De acordo com Bareta, o grande atrativo do acampamento é a convivência com os amigos:

— Aqui a gente se reencontra todo ano. É uma festa, ano passado fechamos a 'rua' com três gaitas. 

Neste ano, Bareta aguarda ansiosamente pela participação do primo Vinícius dos Santos Soares, 14, nas provas de laço.

— Ele já coleciona uns 15 troféus — orgulha-se. 

Vizinhança

Entre as tendas de Rui Machado e de Lucas Bareta, o metalúrgico Valmir Santos, 30, o Didú, organiza o recanto do Piquete Parceiria do Chibo. Ele relata a dinâmica do acampamento para os dias mais movimentados de Semana Farroupilha, neste fim de semana:

— Vira uma verdadeira vizinhança. Se faz todo um escambo, com moeda de troca. Quem precisa de sal, troca por limão, e por aí vai. A maior confusão é quando todo mundo quer botar música junto, mas quanto mais gente, mais alegria. 

Apesar de descontente com a estrutura da Semana Farroupilha, que neste ano considera estar menor, Santos se empolga ao falar da importância do tradicionalismo.

— É toda uma história, valores para passar parar teus netos. Se uma criança estiver no meio disso aqui, duvido que se perca nas drogas — defende. 

Para ele, o principal sentido de celebrar as tradições farroupilhas é o companheirismo que vem de participar da comunidade. 

— Todo mundo se abraça, ninguém fica sozinho. Qualquer um que aparecer aqui, a primeira coisa que vamos dizer é "puxa uma faca e se serve".

Aos poucos, o cenário toma forma

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 13/09/2017 - Apreciadores da tradição já se preparam para o acampamento Farroupilha, nos pavilhoes da Festa da Uva. NA FOTO: Odirlei Deon Vieira, 37, metalúrgico, do CTG Laço em Família. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Odirlei Vieira se prepara para a competição de laço, nesta sexta-feira (15)Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Instalado nas proximidades da churrasqueira pública, o metalúrgico Odirlei Deon Vieira, 37, esperava a chegada das filhas Juliana e Caroline, com quem vai participar da competição de laço amanhã representando o CTG Laço em Família. Um pouco mais a frente, o aposentado Moacir Marafiga Silva, do CTG Ilhapa do Rio Grande, preparava artesanalmente os apetrechos de seu cavalo para as provas campeiras. 

Mais atrás, o motorista Marcos André Borges, 37, descansava enquanto dedilhava sua gaita após montar um verdadeiro rancho de madeira no acampamento em pouco menos de uma semana. Na outra extremidade, João Candido Pereira, 72, do CTG Elo do Rio Grande, acariciava o cavalo Galã do Tamboré sob a sombra da tenda de seu motor home. 

Não vai acampar?

Não precisa ser parte de CTG ou piquete para desfrutar o que a Semana Farroupilha tem a oferecer. Um quilo de alimento não perecível dá acesso aos Pavilhões. Ali, além dos shows, apresentações artísticas nos palcos e as competições na cancha coberta, é possível comprar as opções de comida rápida vendidos nos estandes dos festejos.

Para uma refeição mais substancial, se um passeio pelos acampamentos não render uma prosa e um convite para um mate e um churrasco, não se preocupe. Há uma churrasqueira pública no Acampamento Farroupilha, onde possível levar a própria carne e assar no local, sem custo. 

Serviço

Semana Farroupilha em Caxias do Sul
Onde: Pavilhões da Festa da Uva
Quando: de 14 a 20 de setembro
Ingresso: um quilo de alimento não perecível
Informações: site 25rt.com.br ou (54) 3536-0685

Programação hoje (quinta-feira, 14/09)
:: ARTÍSTICA
19h às 22h: espetáculo com artistas locais a cargo de Paulinho Silva e SOS Música.
:: CAMPEIRA
16h
Prova de Baliza Campeira (categoria infantil)
Prova de Três Tambores (categoria infantil)
Prova das Seis Balizas (categoria infantil)
19h
Trio de Apartação (campereada)

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros