Sem apoio público, empresários de Caxias investem recursos próprios para incentivar o turismo - Geral - Pioneiro

Sem recursos31/08/2017 | 09h46Atualizada em 31/08/2017 | 10h26

Sem apoio público, empresários de Caxias investem recursos próprios para incentivar o turismo

Enquanto isso, Gramado já encaminhou 11 projetos no segmento do turismo. Dois já foram aprovados

Sem apoio público, empresários de Caxias investem recursos próprios para incentivar o turismo Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Sem qualquer apoio financeiro que não o investimento próprio, tanto a Rio do Vento Hidroponia quanto a Cantina Tonet são duas referências do turismo caxiense que têm se mantido ativas diante da baixa no setor.

Na Rio do Vento, os morangos hidropônicos cultivados ao som de um variado repertório musical têm atraído o interesse do público da Serra e de fora do Estado há mais de 10 anos. O projeto foi todo pensado pelo empresário Maurício Fedrizzi e segmenta-se em três frentes: o cultivo da fruta, uma hospedaria e um restaurante.

— A gente nunca contou com a participação de órgãos públicos. Tivemos de fazer desde a energia elétrica, estrada e água. Então, não se tem apoio nessa área. Tanto que não tem telefonia e nem ônibus passa aqui. A gente tem que lidar com essa falta de infraestrutura — desabafa.

Leia mais
Caxias do Sul não recebe recursos para o turismo desde 2013


Abrindo diariamente, incluindo finais de semana, a procura se mantém estável este ano, segundo a funcionária Márcia da Paz.

— Já teve final de semana que mais de mil pessoas passaram aqui. Às vezes, tem fila de espera no domingo. As pessoas ficam no jardim. É um espaço de bem-estar e lazer — lembra.

Mesmo inserido no setor de lazer e gastronomia, na visão de Fedrizzi o turismo na cidade vem ficando cada fez mais fraco:

— Para mim, Caxias perdeu o bonde e agora não tem mais como competir com Gramado, Bento e Cambará, que estão anos luz à frente. O que basta para o município é se consolidar como polo central da Serra.

Ivo Tonet apostou na modernização da adega e ampliou o cultivo da uva para conquistar novos visitantes Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Um pouco mais otimista, Ivo Tonet, idealizador da cantina que leva seu sobrenome, enxergou na modernização da adega, na implementação de mais quatro hectares de uva e na construção de ambientes com acessibilidade uma forma de conquistar mais visitantes.

— Tudo o que a gente produz, a gente vende aqui. Isso movimenta uns R$ 70 mil por mês. Fizemos toda a estrutura do que está aqui na volta. Não tinha nada aqui, só a casa do século 19. O resto a gente projetou e investiu sem auxílio do setor público. Na verdade, a gente tem é que fazer por nós mesmos — explica Tonet.

Hoje, 60% do público que faz o roteiro dos vinhedos na Serra acaba passando pela cantina, conforme estima o empresário. Porém, com a Festa da Uva postergada, o impacto foi expressivo em relação às visitas.

— Não tivemos um dia sem ônibus de excursão no ano passado. Nesse, o volume de turistas caiu bastante. Não precisava a prefeitura fazer o evento. Se tivessem dado para os colonos, a gente fazia — critica.

Na Estrada do Imigrante, que aposta no turismo rural, a redução do público foi de quase 100%, conforme conta Gladimir Tonietto, administrador das Casas Bonnet.

— Muitas pessoas que haviam feito reserva, cancelaram os passeios por aqui. Não houve interesse por parte do município em apoiar. Isso afetou em quase 50% o rendimento do ano — contabiliza.

Fluxo de turistas

Um estudo realizado entre o primeiro semestre do ano passado e o mesmo período de 2017 mostrou que houve um crescimento no número de pessoas que buscaram por informações nos centros de atendimento ao turista (CATs). De acordo com a Secretaria Municipal de Turismo, os CATs de Caxias receberam mais de 3 mil cidadãos, o que representa um plus de 900 pessoas se comparado à amostra de 2016.

Com vistas nesse crescimento, a Semtur afirma que está preocupada em capacitar os funcionários dos cinco quiosques ativos da cidade.

— Queremos melhorar o serviço e entender o perfil das pessoas interessadas por ele. Para isso, realizamos treinamentos mensais dos estagiários e iniciamos uma pesquisa de opinião, que será apresentada na Semana de Turismo — revela a secretária Renata Carraro.

Além dos CATs, uma alternativa para conhecer os atrativos turísticos é o Guia de Caxias do Sul, iniciativa que não recebeu nenhum incentivo público. Ele está disponível online e em formato aplicativo para celular.

— A gente oferece um compilado de serviços e da agenda da cidade. Desde feira, evento, gastronomia, o que fazer na área urbana e rural — explica a diretora do Guia, Marivania Sartoretto.

Onde encontrar informações turísticas

:: CAT Dante Alighieri
Endereço: Esquina das ruas Sinimbu e Dr. Montaury, - Centro
Funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 18h

:: CAT Estação Rodoviária
Endereço: Rua Ernesto Alves, 1341 - Centro
Funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 18h 

:: CAT Aeroporto
Endereço: Av. Salgado Filho, 3451 - Bairro São Leopoldo
Funcionamento: de segunda a sexta, das 8h às 18:30h, e sábado das 8h às 13h. 

:: CAT Festa da Uva
Endereço: Rua Ludovico Cavinato, 1431 - Bairro Nossa Senhora da Saúde
Funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 18h 

:: CAT Igreja São Pelegrino
Endereço: Avenida Itália, 54 – Bairro São Pelegrino
Funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 18h 

:: Guia de Caxias do Sul
Acesso pelo site: http://www.guiadecaxiasdosul.com/ 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros