Memória: A trajetória da família Mutterle - Geral - Pioneiro

Reunião28/08/2017 | 11h11Atualizada em 28/08/2017 | 11h11

Memória: A trajetória da família Mutterle

Bortolo faleceu com 90 anos em 1930 e foi sepultado na Linha Guerra de Antônio Prado

A família Mutterle, originária da província de Vicenza, chegou no Brasil no final do século passado e instalou-se em São Paulo, na região cafeeira, e no Rio Grande do Sul, na Colônia Caxias e Antônio Prado. Atualmente, seus descendentes estão presentes em diversas cidades do Brasil. Os irmãos Bortolo e Giácomo Mutterle, de Caldogno,Vicenza, na Itália, aportaram no Rio de Janeiro em 10 de dezembro de 1885 e receberam lotes de terra na Linha Guerra, em Antônio Prado, e no Travessão Martins e Felisberto da Silva, em Flores da Cunha. Os irmãos chegaram no Brasil com suas esposas e filhos pequenos.

Foto: Arquivo família Mutterle / Acervo pessoal

Leia mais
Campeonato de handebol de 1974
Modernidade nos postos caxienses
Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes
Retratos históricos da família Lorenzi

Bortolo Mutterle era casado com Maria Luigia Gonzio. O casal teve quatro filhos: Giovanna, cujo paradeiro é desconhecido, Giovanni Battista, que casou-se com Catarina Toscan e teve 11 filhos, Giustina, casada com Ângelo Bortolon e mãe de um filho, e Maria Luigia, que se casou com Valentino Tobim, ambos de paradeiro desconhecido.

Bortolo faleceu com 90 anos em 1930 e foi sepultado na Linha Guerra de Antônio Prado. A esposa, Maria Luigia Gonzo, faleceu com 56 anos, em 1900, e foi sepultada no Travessão Felisberto da Silva, em Flores da Cunha.

Giácomo era casado com Angela Perosa, com quem teve nove filhos (curiosamente, cinco deles se chamavam Giovanni Battista): Giovanni Battista, falecido em 1864 na Itália, Giuseppe, falecido em 1893 em Caxias do Sul, Giovanni Battista, que se casou com Irene Giordano e teve sete filhos, Giovanni Battista, falecido em 1878 na Itália, Giovanni Battista, falecido em 1874, aos quatro dias de vida, Anna, que se casou com Giuseppe Slongo e teve 12 filhos, Giovanni Battista, casado com Elisabetta Giulianotti, Giácomo e Ângelo, ambos de paradeiro desconhecido.

Os registros chamam a atenção da família até hoje pelo fatos de primos e irmãos compartilharem o mesmo nome: Giovanni Battista.

A história dos cimbros — povo germânico — que desceram da Bavária para a Itália ocupando e defendendo os territórios do país, inclui a família Mutterle. O sobrenome, de origem alemã, significa "mamãezinha" — MUTTER = mãe e LE = sufixo diminutivo especificamente austríaco.

O que alguns anos de pesquisa ainda não esclareceram é o fato de Mutterle e Motterle confundirem-se na escrita do sobrenome das pessoas da família desde a Itália até o Brasil, ou seja, a mesma pessoa tem registro paroquial Mutterle e civil Motterle. 

Confraternização

Foto: Arquivo família Mutterle / Acervo pessoal

Em 16 de setembro será realizado o 1º Encontro da Família Mutterle, em Otávio Rocha, distrito de Flores da Cunha. A programação começa com um café da manhã oferecido aos participantes no momento do credenciamento, às 8h. Logo depois será celebrada a Santa Missa, em homenagem aos imigrantes, com direito à foto oficial do evento na saída da Igreja Matriz. Ao meio-dia será servido o almoço de confraternização no Grêmio Esportivo. Os homenageados especiais são os descendentes dos irmãos Bortolo e Giácomo Mutterle. 

A intenção dos organizadores é promover o reencontro desses familiares de modo que possam se conhecer e relembrar a existência de seus antecessores. Para informações sobre o evento e reservas, entrar em contato pelos telefones: (54) 3279-1160 e (54) 3279-1009.

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória



 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros