Famílias que vão morar no Rota Nova, em Caxias, assinam contrato - Geral - Pioneiro

Casa própria23/08/2017 | 11h44Atualizada em 23/08/2017 | 11h44

Famílias que vão morar no Rota Nova, em Caxias, assinam contrato

Mudanças devem começar a partir da próxima segunda-feira

Famílias que vão morar no Rota Nova, em Caxias, assinam contrato Daniel Bianchi/Divulgação
Ao todo, 420 famílias deixarão áreas de ocupação às margens da Rota do Sol e passarão a viver nos apartamentos construídos com recursos do governo federal e da  prefeitura Foto: Daniel Bianchi / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Os futuros moradores do Residencial Rota Nova assinaram, na tarde de terça-feira, os contratos dos novos apartamentos. O ato foi organizado por blocos e aconteceu no Salão Paroquial da Igreja Santa Catarina. Nos contratos foram repassadas informações sobre o imóvel e algumas orientações do programa da Caixa Econômica Federal. Entre elas, a de que os moradores não podem vender, nem alugar ou ceder o apartamento a terceiros por 10 anos, conforme prevê a legislação.

Leia mais:
Agressão a manifestante pela Guarda Municipal de Caxias deve ser apurada em sindicância
Família procura jovem desaparecido há dez dias em Caxias
Escola de São Marcos é exemplo em qualidade de ensino para educação no Estado
Quase mil famílias de Caxias do Sul são cortadas do Bolsa Família

A transferência das famílias só deve começar a partir da próxima segunda-feira, depois da entrega oficial do empreendimento, marcada para sexta-feira, ainda sem horário definido, com a presença de autoridades municipais e ministros. Inclusive, as chaves das moradias ainda não foram entregues.

A mudança dos mais de 1,2 mil moradores, que hoje vivem em áreas de risco ocupadas às margens da Rota do Sol, nos bairros Santa Fé e Cidade Industrial, deve ocorrer de forma gradativa: por dia, de 30 a 40 famílias poderão se mudar. A ordem das mudanças será determinada por áreas, respeitando atuais ligações de água e luz, por exemplo. No mesmo instante em que a moradia for desocupada, acontecerá o desmanche das estruturas. Esta medida visa evitar novas invasões num terreno que pertence ao Estado e era ocupado ilegalmente.

Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Durante a assinatura dos documentos, as 420 famílias contempladas foram presenteados com uma planta, lembrança do Horto Municipal da Secretaria Municipal da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Smapa).

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros