Caxias do Sul vai cobrar do Estado definição sobre desapropriação de área em Vila Oliva  - Geral - Pioneiro

Infraestrutura31/08/2017 | 15h49Atualizada em 31/08/2017 | 15h50

Caxias do Sul vai cobrar do Estado definição sobre desapropriação de área em Vila Oliva 

Estado ainda não garantiu pagamento e município diz precisar de posição para definir próximos passos do projeto 

Caxias do Sul vai cobrar do Estado definição sobre desapropriação de área em Vila Oliva  André Fiedler / Gaúcha Serra/Gaúcha Serra
Foto: André Fiedler / Gaúcha Serra / Gaúcha Serra

Enquanto Caxias do Sul e o governo federal trabalham nos trâmites para viabilizar o aeroporto de Vila Oliva, o Estado ainda não bateu o martelo a respeito da desapropriação da área de 443 hectares. Para evitar que a indefinição prejudique o andamento do projeto, uma comissão formada por integrantes da administração municipal e da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) vai cobrar do Piratini uma posição definitiva com relação ao assunto. A montagem da comissão foi definida em reunião na manhã desta quinta-feira entre o prefeito Daniel Guerra (PRB) e representantes da CIC, entre eles, o presidente da entidade, Nelson Sbabo. As informações são da Gaúcha Serra.

Leia mais
Estado diz que só paga por área do aeroporto de Vila Oliva se não houver alternativa
Estudo de Impacto Ambiental do Aeroporto de Vila Oliva, em Caxias, está em elaboração

Conforme o secretário do Planejamento, Fernando Mondadori, que participou do encontro, o grupo vai marcar uma reunião com representantes do governo do Estado para discutir vai haver colaboração. Caso a resposta seja afirmativa, o município vai exigir uma data para a transferência de R$ 20 milhões para a transação. Se o Piratini decidir não arcar com o custo, o município vai estudar outras formas de viabilizar o aeroporto. A principal aposta, nesse caso, é uma parceria público-privada com pelo menos uma das seis empresas estrangeiras que já demonstraram interesse pelo projeto. Os investidores poderão desapropriar a área, construir e administrar o aeroporto.

— Precisamos ter tudo resolvido até abril ou junho de 2018, que é o prazo para o governo federal terminar os estudos ambientais — explica Mondadori.

Após a definição, o assunto deverá ser encaminhado ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para que os recursos para a construção sejam incluídos no orçamento do ano que vem.

A reunião desta quinta serviu justamente para a CIC entregar à prefeitura o nome das empresas. A entidade atendeu a uma solicitação da administração, que não sabia do interesse privado. Sbabo, no entanto, manteve em sigilo o nome das companhias devido aos interesses comerciais de cada uma.


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros