Primeiro semestre registra 78 mortes no trânsito na Serra Gaúcha - Geral - Pioneiro

Vidas Perdidas no Trânsito05/07/2017 | 09h15Atualizada em 05/07/2017 | 09h15

Primeiro semestre registra 78 mortes no trânsito na Serra Gaúcha

As estatísticas mostram que sábado é o dia da semana que concentra maior índice de mortes

Primeiro semestre registra 78 mortes no trânsito na Serra Gaúcha Maicom Cesar Bandiera/Divulgação
Até a terça-feira, 78 pessoas perderam a vida em acidentes registrados em 23 cidades serranas Foto: Maicom Cesar Bandiera / Divulgação

O Pioneiro lança hoje uma importante ferramenta que, além de contabilizar o número de pessoas que já morreram em acidentes na Serra neste ano, mostra quem são as vítimas e os locais mais perigosos. E mais: o Vidas Perdidas no Trânsito surge como um instrumento para cobrar providências das autoridades diante do alto índice de tragédias em rodovias e ruas dos 65 municípios da região. Até a terça-feira, 78 pessoas perderam a vida em acidentes registrados em 23 cidades serranas, número 36,8% superior ao mesmo período do ano passado (com 57 casos). O aumento é consequência de diversos fatores, que começam com o desrespeito às leis de trânsito ou ao pedestre.

As estatísticas mostram que sábado é o dia da semana que concentra maior índice de mortes, bem como janeiro o mês de mais acidentes fatais. Outra revelação dos dados é que ano após ano, os cenários de tragédias que vitimam mais de uma pessoa se repetem. Exemplo clássico é o Trevo da Telasul, entrocamento da ERS-122 com a BR-470, em Garibaldi. Só neste ano, foram quatro mortes neste ponto e outra em menos de um quilômetro de distância. Além disso, outra estatística se mantêm: homens com idades até 39 anos são a maior fatia das vítimas.

— Idosos voltaram a ser um público vulnerável, bem como crianças. Exemplo disso são as duas crianças que morreram recentemente atropeladas. O descuido de um segundo é responsável pela morte de um inocente — analisa Carlos Beraldo, gerente do setor Educação para o Trânsito em Caxias do Sul.

Idosa atropelada sobre a faixa

Marido e mulher que morrem no mesmo acidente e deixam filhos pequenos órfãos, crianças mortas ao atravessar a rua para ir ao colégio e idosos atropelados pertinho de casa figuram entre as tristes histórias deste semestre. A mais recente é o atropelamento de uma idosa em uma das ruas mais movimentadas de Caxias: Rita Cecilia Baroni Cassol, 72 anos, foi atingida na Rua Sinimbu no dia 14 de junho. Internada, morreu no Hospital do Círculo na última quinta-feira, dia 29. Uma van atingiu a aposentada na esquina com a Borges de Medeiros e, segundo a família, ela estava na faixa de pedestres.

— Ela saiu para comprar um travesseiro para o neto e um livro. Não tem explicação, ela não tinha doença e caminhava pelo menos uma hora por dia com as amigas do bairro. Imaginávamos uma vida longa para minha mãe — desabafa a filha Adriana.

Independente e bastante lúcida, Rita era voluntária da Pastoral da Criança. O acidente será investigado, mas a falta de testemunhas dificulta o avanço do caso. A secretaria de Trânsito embriona um grupo de trabalho que atuará na conscientização da participação de idosos no trânsito.

— Nós vamos à Câmara de Vereadores na semana que vem e pretendemos bolar uma ação integrada com toda sociedade civil. Entidades, imprensa, todos focamos no trabalho com pedestres e idosos — lamenta Carlos Beraldo.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comAudiência pública sobre regulamentação do Uber será na segunda, em Caxias https://t.co/0n8iSCtB4L #pioneirohá 6 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comMulher que já esteve na lista das 10 brasileiras mais procuradas da Interpol foge de Presídio de Caxias https://t.co/lP4dPEY03P #pioneirohá 39 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros