Memória: Festival da Moda agitou Caxias em 1986 - Geral - Pioneiro

Estilo17/07/2017 | 10h37Atualizada em 17/07/2017 | 10h49

Memória: Festival da Moda agitou Caxias em 1986

O clima do festival de moda, promovido pelo visionário Tomazzoni, aproximou uma geração de produtores, estilistas e consumidores de moda exigentes

Memória: Festival da Moda agitou Caxias em 1986 Maria da Graça Soares/Agencia RBS
Foto: Maria da Graça Soares / Agencia RBS

O 1º Festival da Moda da Região dos Vinhedos do Sul, realizado no Parque na Festa da Uva, em 12 de julho de 1986, revelou a sensibilidade e espírito empreendedor de Edegar Tomazzoni. O empresário da Mérica Promoções agregou o potencial da indústria têxtil de Caxias do Sul e região realizando um evento que encantou milhares de visitantes, bem como promoveu segmentos artísticos.

O inédito festival de moda não foi uma aventura, mas um projeto autêntico, organizado dentro de um contexto histórico industrial desencadeado pelos pioneiros Lanifícios São Pedro e Gianella e Tecelagem Panceri, com seus produtos em seda. No segmento de confecções, evidenciava-se a marca Alfred e Angelina Sebben. No ramo calçadista, a fábrica Longhi. 

A Malharia Salatino foi a precursora de um ramo que se expandiu vertiginosamente a partir da década de 1940. Na década de 1960, o italiano Otávio Petenatti inaugurava uma fábrica de tecidos que viria a se consolidar no mercado internacional. E, é claro, a Metalúrgica Eberle, que elaborava componentes e acessórios para o vestuário. O clima do festival de moda, promovido pelo visionário Tomazzoni, aproximou uma geração de produtores, estilistas e consumidores de moda exigentes.  Há trinta anos, a mentalidade de elaborar coleções criativas já estava consolidada no mercado caxiense.

Na imagem, percebe-se o staff de modelos que desfilou na abertura do evento.

Segunda edição em 1987

Foto: Paulo de Arauju / Agencia RBS

O Festival da Moda teve sequência em maio de 1987. Na imagem, percebe-se Edegar Tomazzoni (E) durante o descerramento da fita inaugural, com a presença do vice-prefeito Fernando Menegat (D). Em 1989, foi inaugurado o Festimalha, concentrando-se no segmento de malharia e marcando época no início dos anos de 1990. Numa revisão do Festival de Moda, Edegar Tomazzoni é lembrado por valorizar o trabalho das empresas do ramo do vestuário e evidenciar a criação desenvolvida por estilistas locais, entre eles o jovem Sérgio Lopes. 

Conjugando atrações artísticas, Tomazzoni ofereceu oportunidades para o público apreciar apresentações do Grupo de Danças Raízes, Grupo Teatral Misturas & Bocas e a boa música de Vitor Bravo, Luciano Cesa, o jazz do Nariz de Porcelana e danças tradicionalistas de CTGs. 

Opiniões de Clodovil

Foto: Maria da Graça Soares / Agencia RBS

Entre as atrações do 1º Festival de Modas, evidenciou-se a presença do estilista Clodovil Hernandez. Sem deslumbramentos, o convidado revelou as dificuldades de fazer moda no Brasil, bem como de manter seu ateliê de costura. Na época, enfatizou que na França a moda configurava-se na terceira fonte de renda, e elogiou o universo francês pela dedicação ao trabalho. 

Clodovil, em um comparativo, afirmou ainda que o Brasil é um país pobre, pois parou para assistir os jogos da Seleção durante a Copa de 1986. Com toda sua sinceridade e conhecimento, acentuou que o povo japonês gosta de trabalhar muito e enalteceu o povo laborioso do sul. Finalizou pedindo para que os brasileiros acreditassem na moda feita aqui. 

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória



 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros