Memória: Os 100 anos de Leonora Dalcin - Geral - Pioneiro

Pessoas20/06/2017 | 10h00Atualizada em 20/06/2017 | 10h00

Memória: Os 100 anos de Leonora Dalcin

Há uma semana do centenário, Leonora é exemplo de amor e trabalho para o filhos, netos e bisnetos

Leonora Joana Deitos Dalcin nasceu em 25 de junho de 1917, na localidade de Santa Clara Baixa, em Carlos Barbosa. Filha de Domingos Deitos e Anna Dalcin, ia junto com seus pais para Morro Macaco, onde colhiam pinhão, subindo nos pinheiros para ajudar na colheita. Posteriormente, a família comprou um moinho em Santa Clara. Leonora e seus irmãos iam junto com o pai para trabalhar no moinho. Nessa comunidade, construíram uma nova casa, com a cozinha separada, como era de costume na época. Nessa casa, localizada na propriedade que atualmente pertence a Davir Mafassiolli, a família costumava receber e hospedar os padres capuchinhos que iam até a comunidade para rezar a missa. O pai, Domingos, foi um dos fundadores da Cooperativa Santa Clara.

Leonora teve dez irmãos: Pedro, Plácido, Honório Sabino, Ermelinda, Adelina, Honório, Assunta, Amabile Maria, Valdemiro e Eliseu Mariano Deitos.

Em 18 de junho de 1937, Leonora casou-se com Domingos Dalcin. Após seu pai falecer, ela e o marido permaneceram residindo na casa da família Deitos, em Santa Clara, com sua mãe, sua avó Catharina e seus irmãos menores, Eliseu e Valdemiro.

Leonora e Domingos tiveram seis filhos: Gelsemina, Realda Maria, Laurinda, Plácido, Aldino e Vicente. Na residência da família Deitos nasceram as duas primeiras filhas, Gelsemina, em 15 de março de 1939, e Realda, em 9 de junho de 1940. A avó Catharina ainda era viva quando Gelsemina era pequena. Mais tarde, sua mãe, Anna, mudou-se para Veranópolis, levando consigo o filho Eliseu, pois Valdomiro já havia se mudado para trabalhar na ferrovia.

Em meados de 1940, Leonora e Domingos venderam sua propriedade e mudaram-se para uma localidade do interior de Três de Maio, chamada Rocinha, juntamente com outros parentes da família Dalcin. Em Três de Maio nasceram os filhos Laurinda Dalcin, em 5 de março de 1944, e Plácido Dalcin, em 21 de maio de 1946.

Na época, Leonora ficou muito doente, sofrendo de apendicite. Levada ao hospital por conta de uma infecção, foi operada às pressas, e quase faleceu. Quando recuperada, o casal vendeu as terras em Três de Maio e retornou para Carlos Barbosa, após terem ficado um tempo em Torino, na casa dos sogros João Dalcin e Tereza Margarida Canal. Em Torino nasceu o filho Aldindo, que, infelizmente, faleceu com 18 dias de vida. Também em Torino nasceu Vicente, em 3 de abril de 1950. Lá, o casal trabalhava com agricultura. De volta a Carlos Barbosa, Domingos conseguiu trabalho na empresa Tramontina, enquanto Leonora cuidava das vacas, da horta e da roça. Leonora e Domingos vendiam o leite das vacas para os vizinhos, enquanto os filhos, no caminho para a escola, levavam o leite para a vizinhança. 

 Um quase centenário

Foto: Vanderlei Schneider / Divukgação

Leonora sempre viveu uma vida simples e humilde, com os filhos e o marido Domingos, que faleceu aos 91 anos. Sempre dedicada à família, não perdia a missa dos domingos, as reuniões da Ordem Terceira e a missa dos doentes. Hoje, aos 99 anos, é exemplo de amor, fé e trabalho para o filhos, netos, bisnetos e genros. No próximo domingo, Leonora estará completando 100 anos de idade, e a família fará uma confraternização em sua homenagem na comunidade em que Leonora nasceu, Santa Clara, em Carlos Barbosa.

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com3por4: Ale Amorin participa de Exposição Vinte e Cinco Vezes Duchamp, em Porto Alegre https://t.co/xgGSEULYuv #pioneirohá 5 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comConhece O Lenheiro? Desafiada pelo Pioneiro, agência caxiense fez comerciante de lenhas bombar no Facebook https://t.co/188itomY49 #pionei…há 5 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros