Memória: primórdios das obras do Centenário  - Geral - Pioneiro

Futebol19/05/2017 | 10h06Atualizada em 19/05/2017 | 11h37

Memória: primórdios das obras do Centenário 

A obra do estádio Centenário teve apoio financeiro de empresários

Memória: primórdios das obras do Centenário  Foto Luz/Divulgação
Foto: Foto Luz / Divulgação

A história do estádio Centenário, mencionada parcialmente na edição de cinco de maio passado, por ocasião da final do Gauchão 2017, mexeu com o saudosismo de alguns torcedores grenás.

Em reportagem de Guiomar Chies, o anúncio oficial para construção do estádio foi no dia 19 de setembro de 1973. Cláudio Eberle, presidente da Associação Caxias do Sul de Futebol, apresentou a maquete para os convidados. Rubens Hoffmeister, presidente da Federação Gaúcha de Futebol parabenizou o ato, afirmando que a decisão dos caxienses fortaleceria o futebol do interior. Entres as instituições locais, que apoiaram a idealização do Centenário, destaca-se a União Caxiense de Estudantes, presidida por José Ivo Sartori, atual governador do Estado.

A primeira fase da construção dos pilares das arquibancadas começou em abril de 1974. Nesta época, o futebol caxiense vivia a experiência da fusão entre Grêmio Esportivo Flamengo e Esporte Clube Juventude. A Associação Caxias, presidida por Claudio Eberle, almejava concentrar esforços e fortalecer um equipe no cenário nacional.

O propósito não prosperou. Correntes de pensamento diverso preferiam preservar as origens de cada clube. O Esporte Clube Juventude optou em reforma o estádio Alfredo Jaconi. A Baixada Rubra, que seria designada como Estádio Centenário, também realizou investimentos para melhor acolher os torcedores e imprensa.

A obra do estádio Centenário teve apoio financeiro de empresários. O líder Francisco Stedile acompanhava a edificação permanentemente. Laerte do Reis e Mario Polesso eram os responsáveis diretos pela construção. O jornalista José Domingos Susin atuou na venda das cadeiras e camarotes do estádio.

Na imagem, visualiza-se ao fundo a arquibancada que seria coberta. E, em primeiro plano, a montagem estrutural em madeira que receberia a concretagem das vigas, na parte leste, em janeiro de 1976. A inauguração foi em 12 setembro de 1976.

Pilares na ferradura norte

Foto: Foto Luz / Divulgação

A estrutura do estádio Centenário oferece condições para jogos de competições em alto nível. O Internacional de Porto Alegre usou o Centenário em 2013 e 2014, por ocasião da reforma do Beira-Rio. O imprevisto de Novo Hamburgo não oferecer um local adequado, fez com que a final do Gauchão 2017 fosse realizada em Caxias. A decisão da Federação Gaúcha mostrou-se coerente. Fora da Capital, Caxias do Sul é a única cidade que possui condições para sediar eventos deste porte. A excelente rede hoteleira, restaurantes, um aeroporto e acessos rodoviários facilitados, mostraram-se favoráveis. Na imagem percebe-se os primeiros pilares da arquibancada norte. 

Estrutura do pavilhão coberto

Foto: Foto Luz / Divulgação

O campeonato gaúcho de 2017 colocou Caxias do Sul na história. Perante a realização da decisão final, o estádio suportou todas as demandas do futebol, recepcionando com êxito a torcida e trabalho da imprensa. A equipe do Novo Hamburgo hospedou-se no sofisticado Swan Tower. A tarde ensolarada com temperatura amena de outono ficará na memória para os campeões, cuja equipe foi treinada por Beto Campos, que anteriormente treinou a SER Caxias. Na foto, percebe-se a estrutura oeste, setor do pavilhão coberto. 

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comCaxienses fazem bonito no início do Rally dos Sertões https://t.co/8ZN0Njwd6N #pioneirohá 10 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comFarrapos vence e segue na briga pela liderança do Super 8 https://t.co/qZubLVnMdv #pioneirohá 10 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros