Como está o garoto de Farroupilha que lutou para tomar a "pílula do câncer" - Geral - Pioneiro

Vida nova02/05/2017 | 08h00Atualizada em 02/05/2017 | 15h23

Como está o garoto de Farroupilha que lutou para tomar a "pílula do câncer"

Pedrinho, hoje com sete anos, parece esbanjar saúde um ano e meio depois de começar a tomar a fosfoetanolamina 

Como está o garoto de Farroupilha que lutou para tomar a "pílula do câncer" Roni Rigon/Agencia RBS
Abril de 2017:  Sem o transplante de medula, Pedrinho e a mãe vivem momentos de alegria: "estamos felizes e curados" Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Nem parece o mesmo garoto. No dia 28 de novembro de 2015, o pequeno Pedro Henrique Sotti Tecchio, o Pedrinho, sete anos, de Farroupilha, estampava a capa do Pioneiro e pedia socorro para conseguir ser inserido no sistema de pessoas que buscam transplante de medula, o Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (Rereme).

Em agosto de 2015, ele havia sido diagnosticado com leucemia. As equipes médicas, tanto a do Hospital Geral, como a do Hospital das Clínicas, em Porto Alegre, não derem esperanças à mãe do garoto, Izane Sotti, a Iza, 39. O transplante de medula era a única saída. Mesmo assim, sem garantias de que ele iria resistir ao procedimento. Era preciso entrar na fila de doação e torcer para encontrar uma pessoa compatível. O desespero da mãe se agravou quando ela descobriu, 60 dias depois do diagnóstico, que o filho sequer estava no cadastro.

Leia mais
Médicos preferem não receitar a fosfoetanolamina

O período coincidiu com a polêmica do uso por pacientes com câncer da substância fosfoetanolamina, que ficou conhecida como a "pílula do câncer". Mesmo com a venda proibida inicialmente e reprovada por vários estudos, Iza não pensou duas vezes. Desesperada, foi em busca dos pesquisadores da substância. Conseguiu. No dia 14 de outubro de 2015, Pedrinho tomava o primeiro comprimido azul e branco e não parou mais.

— No sexto dia de medicação, ele voltou a se alimentar e percebi a mudança. Meu filho estava salvo — diz Iza, emocionada.

Hoje, o Pedrinho parece esbanjar saúde. Frequenta a escola, brinca, domina o computador e adora chocolate. Parece outra criança. Iza garante que seu filho está vivo devido à fosfoetanolamina. Nos exames de medula, a cada 21 dias, não aparecem células cancerígenas.

— Ele está vivo graças a ela e às pessoas que me ajudaram a consegui-la —enfatiza.

As brigas

Iza tem 39 anos e uma garra invejável. Perdeu o medo de tudo. Comprou brigas feias com médicos para poder tratar seu filho com a "milagrosa" pílula. Chegou a ser intimada por uma juíza para prestar esclarecimentos sobre as discussões com os médicos responsáveis pelo tratamento do Pedrinho em Caxias. Nada a intimidou. Hoje, ela comemora cada dia que vive junto com o filho.

Não foi fácil chegar a essa etapa. No começo do diagnóstico, o pai de Pedrinho saiu de casa. Iza se viu sozinha com o filho doente e a filha Maria Victória, de seis meses. Deixou a pequena aos cuidados da mãe e partiu em busca de saídas para salvar a vida do filho.

— Uma médica chegou a dizer que estava fazendo meu filho de palhaço. O juiz negou três liminares (para conseguir a substância) — conta.

Em São Paulo encontrou os pesquisadores da substância na Universidade de São Paulo (USP), os médicos Renato Meneghell e Marcos Vinícius Almeida. Hoje, ela adquire o produto pela internet.

— Para mim é a fosfoetanolamina e ponto. Foi quem o curou. Pedrinho está crescido. Esperto e inquieto. Questionado se lembra do que passou, ele diz:

— Não. Tomo todas as noites meu comprimido com iogurte. Só sinto saudades do meu boné (o que ele está usando na foto abaixo).


Novembro de 2015: Pedrinho e a mãe Iza, de Farroupilha, lutavam para entrar na fila do transplante de medula óssea Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

"Me sinto mais forte"

O empresário Silvio Lanziotti, de Porto Alegre, começou a tomar a fosfoetanolamina há menos de dois meses e assegura que hoje é outra pessoa. – Tenho mais energia, disposição e apetite.

Lanziotti detectou o primeiro tumor na sigmoide (região acima do reto) em julho de 2014. Fez cirurgia para a retirada do tumor, quimioterapia e radioterapia, tratamentos indicados para destruir as células cancerígenas, que eventualmente, permanecem no organismo.

Em dezembro de 2015, um exame revelava um novo nódulo na mesma região. Nova cirurgia e o recomeço das quimioterapias. Perdeu a fome e a energia. Em fevereiro deste ano, a fosfoetanolamina apareceu em sua vida.

— Se foi coincidência, eu não sei. Só sei que ganhei peso, força, disposição e voltei a trabalhar. Vou continuar tomando — diz.

O preço

Para importar o produto, o custo para 90 cápsulas fica em torno de US$ 165 (R$ 524)

O site: www.qualitymedicalline.com

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com3por4: Ale Amorin participa de Exposição Vinte e Cinco Vezes Duchamp, em Porto Alegre https://t.co/xgGSEULYuv #pioneirohá 1 horaRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comConhece O Lenheiro? Desafiada pelo Pioneiro, agência caxiense fez comerciante de lenhas bombar no Facebook https://t.co/188itomY49 #pionei…há 1 horaRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros