Rek Parking, de Caxias, estima que desvio em parquímetros não chegou a R$ 50 mil mensais - Geral - Pioneiro

Fraude20/04/2017 | 17h45Atualizada em 21/04/2017 | 08h18

Rek Parking, de Caxias, estima que desvio em parquímetros não chegou a R$ 50 mil mensais

Esquema criminoso, denunciado pelo Ministério Público, estaria ocorrendo há quatro ou cinco meses na cidade

Rek Parking, de Caxias, estima que desvio em parquímetros não chegou a R$ 50 mil mensais Ministério Público/divulgação
Foto: Ministério Público / divulgação

A empresa Rek Parking, administradora da cobrança de estacionamentos rotativos em Caxias do Sul, estima que o desvio de dinheiro denunciado pelo Ministério Público (MP) à Justiça seja inferior a R$ 50 mil mensais. A fraude envolve os funcionários Andrius Santos do Amaral Guedes e Douglas Anderson Volpato, que são acusados de trocar os cofres e as placas eletrônicas dos equipamentos por outros que não faziam parte do acervo oficial informado pela companhia. 

Eles acabaram detidos em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça. Conforme a denúncia, no momento de maior arrecadação pelo estacionamento rotativo, os dados e os pagamentos que eram efetuados pelos usuários não eram contabilizados oficialmente e, consequentemente, não eram repassados ao município. A estimativa da prefeitura é que o prejuízo seja de R$ 50 mil por mês.

Leia mais:
MP denuncia esquema que desviava R$ 50 mil por mês de parquímetros
"Recebemos com surpresa e espanto", diz sócio da Rek Parking
Empresa promete ressarcir à prefeitura de Caxias valor desviado em fraude

— Não temos ideia do volume desviado, pois estamos pegando todos os relatórios para chegar à gênese do problema. Achamos que é coisa de quatro ou cinco meses. É menos do que R$ 50 mil mensais, pode ser bem menos — garante o diretor da empresa, Eder Vasconcelos de Souza.

Junto com a Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, a Rek Parking analisará todos os relatórios de fluxo dos estacionamentos para chegar ao levantamento real e então repassar a verba imediatamente, como assegura Souza, aos cofres públicos:

— Eles (suspeitos) desenvolveram uma forma apurada de achar a falha no sistema, que não é 100% inviolável. Estamos bem ansiosos em esclarecer isso e trabalharemos todo o feriadão para tanto.

O promotor Reginaldo Silva diz que, apesar de a dupla poder ser criminalizada por peculato, dificilmente seguirá presa:

— A pena prevê de dois a 12 anos de reclusão, só que há grande possibilidade de eles responderem em liberdade ou cair no regime semiaberto.

Os investigadores ainda avaliam se a empresa sabia da fraude. Souza nega que houvesse conhecimento. O esquema foi identificado pela Secretaria de Trânsito a partir da ligação de um motorista que não conseguia imprimir o ticket de estacionamento após o pagamento. O sistema da secretaria, porém, indicava que o parquímetro operava normalmente. Depois de ter conhecimento da fraude, a secretaria, juntou fotos, vídeos e outros dados e denunciou o caso ao MP em 25 de janeiro. 

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com3por4: MDBF 2017 anuncia Ian Siegal como um dos headliners do festival https://t.co/9ggRnmXKu8 #pioneirohá 2 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comPedidos de seguro-desemprego reduzem nos primeiros meses do ano em Caxias https://t.co/FQdNnXQ7nl #pioneirohá 33 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros