Polvos de crochê ajudam a acolher recém-nascidos na UTI neonatal do HG, em Caxias - Geral - Pioneiro

Amigo "polvo"12/04/2017 | 10h38Atualizada em 12/04/2017 | 17h16

Polvos de crochê ajudam a acolher recém-nascidos na UTI neonatal do HG, em Caxias

Como os tentáculos do polvo se assemelham ao cordão umbilical, o objeto faz com que os recém-nascidos lembrem do momento intrauterino

Polvos de crochê ajudam a acolher recém-nascidos na UTI neonatal do HG, em Caxias Elisângela Dewes/Divulgação
Igor nasceu de 30 semanas e recebeu o amigo chamado "Polvilho", Mãe afirma que com o mascote filho ficou mais calmo Foto: Elisângela Dewes / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Bebês prematuros que estão internados na UTI neonatal do Hospital Geral, em Caxias do Sul, estão participando do projeto Octo/Polvo, que consiste em inserir polvos confeccionados em crochê nas incubadoras. A iniciativa da utilização do polvo surgiu na Dinamarca, em 2013.

Como os tentáculos do polvo se assemelham ao cordão umbilical, o objeto faz com que os recém-nascidos lembrem do momento intrauterino, ajudando na manutenção dos sinais vitais estáveis e evitando que os bebês retirem os tubos e monitores, isto porque, em vez de puxar os equipamentos, eles ficam com as mãozinhas ocupadas segurando os braços do novo amigo.

Leia mais
Depois de três meses, Caxias volta a ter coordenador da Defesa Civil
Caxias firma novo contrato emergencial para serviços no canil
Saiba como foi o trabalho da Câmara de Caxias no primeiro trimestre


Entre os primeiros bebês a receberem o polvo estão Igor Dall'Agnol Alessio, que nasceu de 30 semanas, e Enzo Fagundes, que nasceu na 29ª semana. Igor recebeu o companheiro denominado de "Polvilho" e Enzo a amiguinha "Polvarela", nomes dados pelas enfermeiras da UTI Neonatal.

Jussele Dall'Agnol, mãe de Igor, afirma que, com o mascote, o bebê passou a se sentir mais seguro, ficando muito mais calminho.

— Entendo que, dessa forma, o meu filho tem a sensação de ainda estar no aconchego da barriga — diz.

A mãe de Enzo, Letícia Trindade, buscou mais informações sobre os benefícios do projeto e acredita que ele seja uma forma de terapia para o bebê.

O projeto é desenvolvido desde o início de março e conta com a ajuda de voluntários da comunidade, que confeccionam os polvos seguindo padrões pré-definidos (material 100% algodão, antialérgico e mantendo as características de formato do polvo) e dentro de protocolos de higiene e segurança.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comTrio é preso com munição e anabolizantes na BR-470, em Bento Gonçalves https://t.co/j1VPeoC3K5 #pioneirohá 9 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comDivisória do gabinete do vice-prefeito vira ocorrência policial https://t.co/XWCANcplUX #pioneirohá 44 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros