O amor não é algo. O amor é alguém - Geral - Pioneiro

Frei Jaime Bettega14/04/2017 | 11h12Atualizada em 14/04/2017 | 11h12

O amor não é algo. O amor é alguém

O respeito à diversidade religiosa não impede que todos elevemo seu olhar para o alto da cruz

Frei Jaime Bettega
Frei Jaime Bettega

jaime@ofmcaprs.org.br

Por uns instantes,o mundo é tocado pelo silêncio. Uma cruz é erguida, um inocente é crucificado,a dor aparentemente se desprende do amor. O Filho de Deus é brutalmente crucificado.Aquele que veio para fazer somente o bem é confundido e destruído. A humanidade vê o céu se fechar, o sol experimenta a escuridão, o amor é transformado em dor. Mas a Sexta-Feira Santa não terminou. Dois mil anos depois,o mundo ainda assiste ao sofrimento de tantos inocentes. Onde estiver alguém padecendo por falta de condições dignas de vida, lá a cruz de Jesus continua provocando quedas e lágrimas. O respeito à diversidade religiosa não impede que todos elevemo seu olhar para o alto da cruz, onde está o símbolo da dor e do amor. Para os cristãos, no entanto, o amor não é algo.

Leia mais
Marcos Kirst: a verdade é um sem-teto
Tríssia Ordovás Sartori: ah, o amor
Nivaldo Pereira: as guerras de marte

O amor é Alguém. O amor tem um nome: Jesus de Nazaré. No Monte Calvário, o Amor deu sua maior prova: doou se totalmente! Séculos e milênios se passaram e o amor continua sendo Alguém.Ele até aceita outros nomes, pois o segredo não está no nome, mas no amor. Somente um grande amor foi capaz de tamanha dor. É tão difícil aceitar o sofrimento quando falta o amor.Porém, o amor daquela dolorosa Sexta-Feira Santa garantiu à humanidade um novo jeito de viver e de encaminhar a vida. 

Para provar e vivenciar esse amor, necessariamente há que acontecer um encontro. Encontrar-se com Jesus, o Servo Sofredor, é a melhor maneira de encontrar-se com o Amor!

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros