Sem ônibus, centenas de alunos deixam de ir às aulas em Caxias - Geral - Pioneiro

Greve dos rodoviários20/03/2017 | 10h27Atualizada em 20/03/2017 | 10h31

Sem ônibus, centenas de alunos deixam de ir às aulas em Caxias

Três colégios públicos de bairros da áreas central estão com metade dos alunos 

Sem ônibus, centenas de alunos deixam de ir às aulas em Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Nenhum ônibus está circulando pelas ruas da cidade nesta segunda-feira Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A greve dos rodoviários impactou na rede pública de ensino de Caxias do Sul. A 4ª Coordenadoria Regional da Educação (4ª CRE) e a Secretaria Municipal da Educação (Smed) ainda estão fazendo levantamento de quanto alunos não compareceram às aulas na manhã desta segunda-feira, mas alguns colégios confirmaram à reportagem que metade dos estudantes não apareceu. Para diretores de escolas, o problema pode ser maior à noite já que muitas famílias não vão arriscar mandar os filhos a pé. A ausência é mais sentida em escolas da área central, que exige deslocamento de crianças e adolescentes dos bairros. Na rede municipal, que abrange geralmente o público que mora entorno, as faltas seriam menores.

Leia mais
Visate, de Caxias, vai se encontrar com sindicato dos rodoviários, mas reajuste no salário não é garantido
Procura por táxi e táxi-lotação é grande em Caxias do Sul 
Após anúncio de greve dos médicos, atendimento é normal nas UBSs de Caxias


No Colégio Estadual Henrique Emilio Meyer, no Exposição, a diretora Cristiane Xavier Paim Silva confirmou a ausência de cerca de 340 estudantes no turno da manhã. No total, a instituição tem 1,1 mil alunos matriculados.

— Recebemos hoje em torno de 200 alunos — diz Cristiane.

No Instituto de Educação Cristóvão de Mendoza, no Cinquentenário, professores apontaram a ausência de metade dos 600 alunos do turno da manhã, conforme a vice-diretora da manhã, Karen Abreu de Oliveira. Na Escola Estadual Evaristo de Antoni, no São José, a presença foi maior do que o esperado.

— Tem mais faltas do que o normal, mas temos mais estudantes do que imaginávamos. Dá para dar aula. De noite será mais complicado — projeta a vice-diretora da manhã, Franciele Costa Vieira.

No Presidente Vargas, no Centro, o diretor Carlos Alberto Machado, confirmou 100 alunos a menos nesta manhã. Os professores orientam as turmas do turno da noite para não irem ao colégio se não houver alternativa de transporte.

— Quem não puder vier não será prejudicado. Também já adiamos provas e trabalhos em virtude da greve para não atrapalhar os estudantes que precisam de ônibus — esclarece Machado.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros