Com o crescimento do roubo de carros, seguros aumentam em até 45% em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Insegurança04/03/2017 | 10h00Atualizada em 04/03/2017 | 10h00

Com o crescimento do roubo de carros, seguros aumentam em até 45% em Caxias do Sul

Simulação sobre Focus, o modelo mais roubado, aponta uma apólice R$ 3 mil mais cara

Com o crescimento do roubo de carros, seguros aumentam em até 45% em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Avenida Rubem Bento Alves foi a que mais registrou roubos de carros em Caxias do Sul em 2016 Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Donos dos carros mais visados por ladrões enfrentam um dilema: arriscar perder tudo ou pagar um seguro cada vez mais caro. O Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul aponta que o volume de roubos de cada modelo é um dos principais fatores analisados na hora de contratar a apólice, o que pode representar até 45% do custo de determinado seguro. Em Caxias do Sul, o roubo de veículos cresceu 36% no ano passado, com 1.001 casos contra 734 de 2015. Simulações em corretoras de um Focus, modelo mais roubado no ano passado (confira gráfico abaixo), revelam um valor de seguro até R$ 5 mil, R$ 3 mil mais se comparado a um modelo semelhante.

Leia mais
Criminosos inexperientes estariam por trás do aumento de roubo de veículos em Caxias
Entender como o assaltante escolhe o alvo pode prevenir ataques em Caxias

Metade das vítimas de latrocínio em Caxias foram mortas durante roubos de veículos
Caxias do Sul registra média de três roubos de veículos por dia
Para delegado de Caxias do Sul, não existe mais o discurso de 'comigo não irá acontecer'

O vice-presidente do sindicato, Rubens Oliboni, aponta a crise na segurança como a principal explicação para o crescimento de 30% no valor geral dos seguros na Serra nos últimos dois anos. No mercado, veículos perderam espaço nas vendas em relação a imóveis e seguro de vida.

— São vários fatores no cálculo do seguro de um carro. Mas o índice de roubos do veículo é o mais agravante. No caso de um acidente, mesmo em uma perda severa, a seguradora fica com o salvado (resto do carro). No roubo, não existe este salvado. É um impacto maior (para a seguradora) — explica o sindicalista.

Como o aumento da criminalidade ocorre em um período de recessão econômica, as seguradoras enfrentam um cenário de muita procura e pouca adesão. A situação é agravada porque os carros mais roubados são justamente os populares.

— Há uma maior quantidade de unidades rodando e, consequentemente, acabam mais visados. O ganho (dos criminosos) vem das peças que têm fácil mercado. O consumidor acha que está fazendo um bom negócio, mas está influenciando o crime — alerta Oliboni.

As dificuldades levaram as seguradoras a mudar a abordagem aos clientes. Os valores para carros populares subiram tanto que a opção foi entender o quanto os clientes estão dispostos a pagar.

— Teoricamente, se aumentam os roubos, a procura por seguro também deveria aumentar. Só que, nessa recessão, as pessoas não têm dinheiro e optam por assumir o risco (de serem assaltados). A situação é mais clara nos modelos populares, justamente os mais levados. A decisão das seguradoras foi distribuir este aumento entre todos os modelos, porque se jogar toda a necessidade para o popular não haverá negociação — conclui.

Foto: Arte Pioneiro
Foto: Arte Pioneiro


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comNo Dia da Cerâmica, escultora de Caxias do Sul abre seu ateliê ao público https://t.co/T2nfTL9opf #pioneirohá 23 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comNo Dia da Cerâmica, escultura abre seu ateliê ao público em Caxias do Sul https://t.co/T2nfTL9opf #pioneirohá 28 minutosRetweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros