Laboratório em Caxias do Sul investiga avanço e estatísticas do HIV  - Geral - Pioneiro

Dia Mundial de Luta contra a Aids01/12/2016 | 08h30Atualizada em 01/12/2016 | 11h20

Laboratório em Caxias do Sul investiga avanço e estatísticas do HIV 

Em 14 anos de história, serviço da UCS já conduziu mais de 20 projetos ligados ao assunto

Laboratório em Caxias do Sul investiga avanço e estatísticas do HIV  Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Fazem parte do trabalho profissionais multidisciplinares de áreas como farmácia, enfermagem, estatística, entre outros Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

<< LEIA TAMBÉM Primeira diagnosticada com HIV em Caxias do Sul optou por vida sem medicação

Poucos sabem, mas Caxias do Sul se tornou referência em pesquisa sobre HIV/Aids no país. Ao longo de 14 anos, o Laboratório de Pesquisa em HIV/Aids (LPHA) da Universidade de Caxias do Sul (UCS) conduziu mais de 20 projetos de pesquisa patrocinados por instituições nacionais e internacionais, envolvendo cerca de 49 mil participantes voluntários. Fazem parte do trabalho profissionais multidisciplinares de áreas como farmácia, enfermagem, estatística, secretariado e administração, além de professores e bolsistas de outros cursos, como medicina e psicologia. 

Leia mais
Mais de cem mil pessoas no Brasil vivem com HIV e não sabem, diz Ministério da Saúde
Você já parou para pensar nos riscos que corre de pegar Aids?
No RS, o índice de Aids é o dobro do restante do país 

Dois trabalhos em desenvolvimento chamam a atenção: um deles, em fase de conclusão, lidou justamente com o público-alvo das estatísticas, os jovens. Em parceria com o Ministério da Saúde e da Defesa, a pesquisa investiga e monitora o HIV e outras DSTs em jovens do sexo masculino, de 17 a 21 anos, que se apresentam obrigatoriamente às Juntas de Serviço Militar. 

— O estudo termina em 9 de dezembro e será divulgado, possivelmente, no próximo Boletim Epidemiológico Nacional — explica a professora Rosa Dea Sperhacke, coordenadora do LPHA.

Um protocolo nacional que analisa respostas a tratamentos de gestantes infectadas pelo HIV, que procuram medicação tardiamente, também é analisado pelo laboratório. O estudo iniciou em 2015 e segue até 2019, recrutando 394 gestantes e seus bebês para análise. O objetivo é identificar qual o esquema de tratamento mais eficaz.

— Os resultados obtidos neste estudo podem ajudar outras gestantes portadoras do HIV com relação a possibilidade de melhores combinações de esquemas terapêuticos e consequentemente diminuir as chances de transmissão do HIV para o bebê — explica. 

Para marcar o Dia Mundial de Luta contra a Aids, comemorado nesta quinta-feira, uma aula pública sobre HIV será realizada às 18h, pela Federação Internacional de Estudantes de Medicina, no Centro de Convivência da UCS.

Também estão sendo realizados testes de HIV no Serviço Municipal de Infectologia, nesta quinta e sexta-feira, das 7h às 16h. O endereço é Rua Sinimbu, 2.231 - 1º andar,  junto ao Centro Especializado de Saúde (CES), no Centro. Mais informações pelo telefone (54) 3217.8833, ramal 220. 

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros