Polícia Civil prende segundo suspeito de mortes em frente a boate, em Caxias - Geral - Pioneiro

Duplo homicídio07/10/2016 | 16h00Atualizada em 07/10/2016 | 16h04

Polícia Civil prende segundo suspeito de mortes em frente a boate, em Caxias

Homem, que não teve a identidade divulgada, foi detido no bairro Rio Branco

Polícia Civil prende segundo suspeito de mortes em frente a boate, em Caxias Brigada Militar / divulgação/divulgação
Dois homens em uma motocicleta atiraram diversas vezes em frente ao Clube Rodeio Foto: Brigada Militar / divulgação / divulgação
Pioneiro
Pioneiro

A Polícia Civil prendeu o segundo suspeito do duplo homicídio em frente ao Clube Rodeio, no bairro São Leopoldo, em 18 de setembro. O homem, que não teve a identidade divulgada, foi detido no bairro Rio Branco na manhã desta sexta-feira. De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios e Desaparecidos (DHD), ele seria o autor dos disparos que vitimaram Érica da Silva dos Santos, 20 anos, e Iago Jacinto da Motta, 23.

— Aparentemente, ele era o atirador e temos elementos que justificaram esta prisão por 30 dias. Agora, iremos pedir a quebra do sigilo telefônico e analisar este celular apreendido. O suspeito negou envolvimento, mas temos relatos que levam a entender que o seu álibi não procede — explica o delegado Rodrigo Kegler Duarte.

Leia mais
Jovem morta em frente a casa noturna, em Caxias, teria sido baleada por engano
"Estamos perdidos, sem chão" diz padrasto de jovem morta ao sair de festa
Rótula da São Leopoldo, em Caxias, soma cinco assassinatos em um ano
"No Brasil, caem seis Torres Gêmeas por ano", diz secretário de Segurança do Rio em Gramado

A motivação do crime seria uma confusão dentro do Clube Rodeio. Após um grupo ser expulso da festa, dois homens teriam retornado em uma motocicleta escura e efetuado diversos disparos em frente a boate. Os alvos seriam os seguranças que, supostamente, os colocaram para fora da boate com violência.

O primeiro suspeito, preso no bairro Monte Carmelo , admitiu envolvimento no tumulto. Porém, de acordo com o chefe da DHD, ele foi liberado após provas contundentes apontarem sua não participação no ataque. 

A investigação ainda precisa responder duas questões essenciais. A primeira é qual a motocicleta utilizada no crime. De acordo com o delegado Duarte, o relato das testemunhas não é convergente sobre as características do veículo. Outro ponto em aberto é a identidade do condutor da moto naquela madrugada.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros